Navegando Categoria

legumes

legumes principais Receitas

Berinjela a parmegiana

berinjela parmegiana

Berinjela é meu amor profundo, vocês sabem né?

Por aqui já rolaram diversas receitas (joga berinjela na busca! ou beringela, porque eu gosto de variar, rs) com este que é meu legume favorito da vida (sim, berinjela é fruto, dizem, mas aqui em casa ela é legume e fim). Como alguém pode não gostar de berinjela? Jamais entenderei, sério. Ela é relativamente barata (pq né, barato mesmo não existe mais nada), tem o ano todo e é um baita coringa no cardápio do dia-a-dia. Frita, ensopada, assada e até crua, berinjela não falta na minha casa.

Essa receita aqui é da Paola Carosella, do canal dela no Youtube. É uma versão muito parecida com a lasanha de berinjela e com outras receitas assadas, mas ela tem uns truques, um pulo do gato, aquela coisa de chef. Eu precisei fazer alguns ajustes nos ingredientes, mas mantive o modus operandi. Coloco a receita dela e pontuo minhas substituições, combinado? De um jeito ou de outro o resultado final é delícia, praticamente à prova de erro, pode se jogar.

berinjela parmegiana

Corte duas berinjelas em fatias finas no sentido do comprimento ou na diagonal, como ela cortou. Usei mandoline mas na faca super rola. Disponha as fatias num escorredor de macarrão e polvilhe um punhado de sal nas fatias. O lance é que o sal vai desidratar a berinjela, então vai soltar uma aguinha escura, por isso o uso do escorredor. Deixa assim uns 20 minutinhos. Passado esse tempo, passe as fatias pela água corrente bem rápido, apenas para tirar o excesso de sal. Agora, vem uma parte um pouco mais trabalhosa – você vai precisar secar cada uma das fatias porque elas serão fritas. Ou seja, ideal é que elas não estejam molhadas, sacou? A Paola usou dois panos – dispõe as fatias em uma única camada em um prato e usa outro por cima, para secar, mas pode usar papel toalha se preferir.

berinjela a parmegiana

Bom, fatias prontas agora é hora de fritar. “Ih Fabiana, eu não gosto de fritura!” Nem eu, meu bem, mas tem dias que a gente abre excessão e, especificamente aqui, a gente frita em pouco óleo, nada de imersão imennnsa. É óleo suficiente para dourar ligeiramente as fatias e pronto. E também é pá-pum – as fatias estão finas, não tem porque levar muito tempo no óleo. Tira as fatias fritas, escorre no papel toalha (ou grade, como ela usa) e reserva. Quer usar o forno? Pode também, mas tem que fazer uma camada, assar, fazer outra camada, assar e assim vai. Tb dá pra grelhar, na frgideira antiaderente, fique à vontade.

berinjela parmegiana

Fatias prontas, agora o que falta é montar. Para isso você vai precisar de ricota amassada, molho de tomate, manjericão fresco, parmesão ralado e farinha de rosca. Eu não tinha ricota, então processei ligeiramente um queijo minas frescal e funcionou bem. Você pode usar a ricota comum ou de búfala, vai funcionar de qualquer jeito. O molho de tomate eu já ensinei um bem bom aqui, mas você pode usar o que estiver à mão. E a farinha de rosca eu não tinha, então processei pão velho (que sempre tem em casa) com um pouquinho de sal e azeite. Fatias de tomate (ou tomatinhos cereja cortadinhos) são opcionais – eu tinha, então usei.

berinjela a parmegiana

Pega uma travessa que vá ao forno e comece a montagem:

– uma camada de molho de tomate
– uma camada de berinjela
– um pouco de ricota (vá colocando uns montinhos, depois no forno ela se espalha)
– tomates (se for usar)
– manjericão
– queijo parmesão
– camada de berinjela
– camada de molho de tomate
e vai repetindo as camadas, finalizando com berinjela + molho de tomate
Por fim, polvilhe a farinha de rosca e o parmesão ralado, para fazer uma crostinha.

Leve ao forno médio/alto por 15 ou 20 minutos, apenas até dourar, porque os ingredientes já estão todos cozidos.

Pronto. Deixe descansar um pouco antes de servir. Eu usei muuuuito molho de tomate e no final o prato ficou bem molhado, mas acredito que com menos molho teria ficado ainda mais gostoso. Então, faça camada fina de molho, combinado?

É isso. Mais uma maneira deliciosa de consumir berinjela, essa linda.
Não esquece de me marcar no Instagram quando preparar essa delícia, @faby_zanelati

Cuidem-se
xoxo,
Faby

legumes Receitas vegetarianos

Torta Espiral de Vegetais

torta espiral de legumes

Quem não gosta de torta, bom sujeito não é ;)

Hey, quarenteners! Todos bem?
Aqui seguimos la vida loka com jornadas triplas em dias que duram 72 horas – é casa, trabalho, criança, cachorros (não necessariamente nessa ordem). De brinde, uma capsulite no ombro e uma certa imobilidade no braço direito. Ou seja, tá fácil. Só que ao contrário ;)

A cozinha segue trivial mas vez ou outra a gente dá uma caprichada. Essa torta foi um desses dias, de capricho puro.
A massa é uma brisée básica, a ricota bem temperadinha, os vegetais cortados em lâminas fininhas com a mandoline e voilà! Uma torta bonitona e cheia de bossa para os dias em que a gente decide pegar leve (aqui eles são raros, shame on you, Fabiana!).

como fazer torta de vegetais espiral

Para a massa brisée
(que pode ser sua massa coringa pro resto da vida)

200gr de farinha de trigo
100gr de manteiga gelada
1 ovo
água gelada (se for necessário)
Uma pitada de sal

Misture a manteiga gelada e a farinha de trigo, misturando até formar uma farofinha.
Junte o ovo e amasse. Se a mistura estiver muito seca, adicione 1 colher (chá) de água gelada.
Adicione uma pitada de sal e trabalhe a massa até ela ficar lisinha.
Faça uma bolinha, embale com filme plástico e leve pra gelar uma meia horinha.

Depois é só abrir com as mãos na forma que você for usar. Aqui usei uma de vidro, mas pode ser uma de torta com fundo removível também.

Para a ricota temperada

Aqui é tudo no olhômetro, mas basicamente juntei 1 xícara (chá) de ricota fresca, 1 gema e temperei com azeite, sal, pimenta e noz moscada – aí é a gosto. Você pode incrementar juntando nozes processadas (ou amêndoas) e ervas de sua preferência – manjericão fica sensacional. É só misturar bem, formando uma espécie de creme e colocar por cima da massa da torta.

torta espiral de vegetais

Para os vegetais

Usei abobrinha, beringela e cenoura, tudo cortado com mandoline, na mesma espessura. A quantidade, claro, depende do tamanho dos vegetais. Para esta forma de 20cm usei 01 cenoura, 1 abobrinha e 2 beringelas pequenas.
A beringela você deixa de molho em água com sal por uns 10 minutos e depois seca com papel toalha.
A abobrinha só corta e reserva.
A cenoura precisa aferventar, pra ela ficar mais maleável pra você conseguir dobrar sem quebrar. Seque-as também com papel toalha depois de pré cozidas.

Depois que está tudo cortadinho e seco, comece a colocar na torta, iniciando do centro para a ponta. É só ir seguindo as camadas, alterando os vegetais.
Notem que eu não sou assim tão perfeccionista e as minhas camadas não são exatamente perfeitas – nem precisa, né? Mas se você tiver tempo, paciência, um toc ou coisa parecida, vá cortando os vegetais para preencher as camadas, formando a rodinha. Dá sempre uma amassadinha, pra firmar os vegetais no creme de ricota.

Feito isso, leve ao forno pré aquecido 180ºC e asse até dourar.

Sirva morninha com uma salada verde.

Volto logo.
Continuem se cuidado <3

Você também vai gostar:
– Torta de Iogurte e Vegetais

legumes pratos únicos Receitas sem glúten sopas, caldos & cremes vegetarianos

Sopa de abóbora assada com especiarias

Quem aí toma sopa até no verão levanta a mão! o/

Pra mim não tem estação ou refeição certa para uma boa pratada de sopa. Amo. Pode ser de qualquer legume, com ou sem carne, versão caldinho, creminho, o que for eu traço. Tenho paixão por canja, sopa de feijão e aquele bom e velho minestrone. Só que as vezes o tempo é curto demais e uma sopa que sempre quebra um galho e é super prática é essa de abóbora com especiarias.

O truque, se é que se pode chamar assim, é cortar a abóbora e levar pra assar. Disponha os pedaços de abóbora na assadeira e tempere com especiarias a seu gosto. Eu uso sal, pimenta, cominho, canela em pau (só para perfumar). Cobre com papel alumínio e leva ao forno pré aquecido até que ao espetar a pontinha da faca, a abóbora esteja macia.

Depois, é só retirar a polpa assada com a ajuda de uma colher e reservar.

Em uma panela levo cebola e alho para dourar em um fio de azeite. Junto um pedaço de gengibre ralado e a polpa da abóbora assada e um pouco de caldo de legumes. Tem que misturar e deixar cozinhar um pouco, até começar a engrossar. Quando está no ponto que eu gosto, acerto o tempero, junto um pouquinho de noz moscada ralada na hora e uso o mixer direto na panela para deixá-la mais lisinha e homogênea, mas nada impede de serví-la mais rústica (quando a preguiça bate forte, vou de rústica) ou de usar o liquidificador.

Na hora de servir, croutons, iogurte, azeite e pimenta do reino moída na hora são ótimos para finalizar.

Dá para fazer a mesma sopa substituindo a abóbora por inhame, beterraba, cenoura, batata doce e mandioquinha, todas igualmente deliciosas.

antepastos e conservas legumes molhos Receitas sem glúten vegana vegetarianos

Chutney de tomate

A receita hoje tem origem na Índia e um pezinho na Itália. O chutney é um molho agridoce com especiarias (e às vezes também picante) de origem indiana pelo qual eu sou doida. A versão mais conhecida é de manga mas dá pra fazer com várias frutas, inclusive tomate. Aqui usei o italiano, beeem maduro, ótimo para aproveitar aqueles que já estão com os dias (ou horas) contados. O chutney vai bem com queijos, carnes, embutidos, vira uma base de molho incrível para o peito de frango em cubinhos e vai até (e muito bem) no hambúrguer – inclusive foi o destino deste potinho da foto ;)

A primeira coisa a fazer é tirar a pele dos tomates (já mostrei um jeito fácil aqui ó) – 1 kg de tomate rende um pote pequeno (cerca de 300gr) de chutney. Já sem a pele, corte o tomate em cubos e pode manter a semente se quiser.

Em uma panela refogue uns 4 dentes de alho amassados e uma cebola roxa grande picada em um fio de azeite. Quando dourar acrescente o tomate e mexa. Agora é hora de juntar mais ou menos 1 colher (sopa) de gengibre ralado, 1 pimenta dedo de moça (sem sementes) picadinha, 1 xícara de vinagre de arroz, 1 xícara de açucar mascavo, 1/2 xícara de açucar branco, uma pitada de sal e umas pitadas de: cravo em pó, canela, cominho e pimenta do reino, tudo a gosto. Lembrando que é bom adicionar as especiarias aos poucos e ir provando. Mexa bem, abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar e reduzir por uns 50 minutos. Dependendo do tomate, será preciso acrescentar água durante o processo. Neste meu eu não precisei acrescentar pq o tomate soltou bastante líquido, mas se o seu não soltar vá juntando um pouco de água quando for preciso.

A ideia é que ele reduza e vire um molho grosso, encorpado. Daí é você quem decide – se quiser uma versão mais rústica, sirva desse jeito, ou, para uma versão mais delicada, use o mixer ligeiramente. Quando ele estiver bem reduzido, desligue o fogo e deixe esfriar.

Depois de frio, guarde em recipiente de vidro esterilizado e com fechamento hermético e mantenha em geladeira. Dura umas duas semanas, mas sempre acaba antes ;)

acompanhamentos entradas e petiscos legumes Receitas sem glúten vegana vegetarianos

Couve flor picante assada

Minha última descoberta é que deram um  nome para minha fase de vida atual: sou uma reducitariana e nem sabia. Isso quer dizer que pertenço ao grupo de pessoas que não deixaram de comer carne mas reduziram bastante o consumo – no meu caso, a carne ficou restrita apenas ao finais de semana. E como por aqui não substituímos carne por PTS (que eu adoro) acabamos focamos bastante nos vegetais e em novas maneiras de prepará-los. E tem rolado tanta coisa gostosa! Uma delas é essa couve flor, feita no forno e tão fácil que dá até vergonha chamar de receita.

Precisa cortar a couve flor em fatias médias. Não se preocupe porque alguns floretes acabam desmanchando, não tem problema. Depois essas fatias são lambuzadas ligeiramente com azeite e temperadas com sal e pimenta. Em um pratinho vai fubá (o suficiente para empanar a quantidade de couve flor que você está preparando), sal, pimenta e páprica picante a gosto. Mistura tudo e passa as fatias de couve flor nessa misturinha, dos dois lados, pressionando levemente para “empanar”. Numa assadeira forrada com papel manteiga untado com um fio de azeite, é só acomodar a couve flor, regar com um pouquinho mais de azeite e levar ao forno pré aquecido 180C até dourar – vire no meio do processo para dourar os dois lados.

Para acompanhar preparei um molhinho com iogurte, azeite, mel, sal e pimenta.

Viu? Couve flor não vira só salada, gratinado e fritura não. Ter virado reducitariana me mostrou uma infinidade de possibilidades nos vegetais e cada dia eu me apaixono mais por eles.

E você, tem um jeito gostoso de preparar couve flor? Conta aí ;)

acompanhamentos cozinha rápida entradas e petiscos legumes Receitas vegana vegetarianos

Almôndega vegana

Oi sumida ;)

***

Se eu disser que essa é mais uma receita com berinjela vocês ainda vão me amar e me achar normal? Porque né, esse blog é quase um portal de receitas com berinjela. Desculpa? ;)

Bom, a almôndega é vegana e a base é a berinjela sim mas você pode preparar almôndegas veganas e vegetarianas com grão de bico, mandioquinha, cenoura, abóbora (amo!)… a ausência da proteína nem será sentida, te prometo. Vem comigo…

A primeira coisa a fazer é cortar as berinjelas no sentido do comprimento e levar ao forno pra assar, com um fiozinho de azeite e sal. Não é muito demorado, coisa de uns 20 minutos. Quando perceber que a polpa da berinjela está macia, pode retirar do forno.

Com uma colher, retire a polpa das berinjelas. Ao final você vai ter umas duas xícaras de polpa (dependendo, claro, do tamanho das berinjelas). Em uma panela doure dois dentes de alho amassados e 1/2 cebola ralada em um pouquinho de azeite. Junte a polpa da berinjela, 1 xícara de aveia em flocos finos e mais ou menos 1/2 xícara de farinha de pão (eu uso pão velho, passado pelo processador, mas na falta você pode usar farinha de trigo). Acrescente primeiro a aveia, mexa e verifique o ponto. Só então vá juntando a farinha de pão (ou de trigo), aos poucos, mexendo e cozinhando em fogo baixo até que você encontre o ponto de enrolar – nem sempre você usa a quantidade toda e as vezes precisa de mais. Desligue o fogo, tempere com sal, pimenta, noz moscada, cominho, páprica… do jeito que você quiser. Eu gosto dela picante, bem temperada, mas aí é sua escolha. Também pode-se juntar ervas picadas, como salsinha ou manjericão.

Ao final você deve ter uma espécie de massa que consiga modelar bolinhas (unte um pouquinho a mão com óleo ou azeite). Faça as bolinhas do tamanho desejado e acomode-as em uma assadeira antiaderente ou forrada com papel manteiga. Leve ao forno médio pré aquecido até dourar.

Para servir eu prefiro sempre tomate picado, no estilo concassé, mas fica bom com molho de tomate também, com pesto, com aioli na versão aperitivo, ou sem nada mesmo.

A almôndega não fica lisinha e faz o estilo mais rústica. Se você preferir uma versão mais delicada, passe a polpa da berinjela pelo processador depois de assada.

acompanhamentos cozinha rápida entradas e petiscos legumes principais reaproveitamento Receitas tortas e quiches vegetarianos

Torta de iogurte e vegetais

Incluir vegetais na refeição é coisa fácil aqui em casa. Praticamente deixamos de consumir carne durante a semana, então os vegetais são protagonistas nas receitas do dia a dia. Só que eu gosto de variar bastante no preparo. Além das saladonas, refogadinhos e legumes recheados, eu também gosto da opção torta. A massa é daquelas rápidas, batidas à mão, e leva iogurte, super levinha e com um truque bacana: todas as medidas são as mesmas do potinho de iogurte. Fácil, han?

Em uma tigela quebre 3 ovos e coloque 1 pote de iogurte natural. Mexa bem e acrescente a mesma medida do pote de leite. Junte também 1/2 pote de azeite e 1 pote de queijo parmesão ralado. Misture. Acrescente 3 potinhos de farinha de trigo, de uma a uma, mexendo bem. Tempere com sal (1 colher chá mais ou menos) e pimenta. Coloque 1 sachê de fermento biológico seco e misture novamente.

Agora, os legumes ficam por tua conta. A medida é cerca de dois potinhos deles picados. No meu foi uma rapa da geladeira antes de receber os orgânicos da semana – foi cebola roxa, pimentão verde, pimenta biquinho, salsa, cebolinha, milho verde, azeitona e mais berinjela, abobrinha e cenoura, cortadas em tiras bem fininhas (uso um cortador daqueles bem baratinhos). Reservei um pouco dos vegetais para colocar por cima e o restante misturei na massa.

Coloquei em assadeira com papel manteiga untado e levei ao forno 180C pré aquecido por 45 minutos mais ou menos. Está bom quando passar pelo teste do palito.

Essa torta vira prato principal para servir com uma salada. Fica delícia tanto morna, quanto fria e de um dia para o outro fica gostosa para comer com azeite e sal.

entradas e petiscos legumes pratos únicos principais Receitas

Quadradinho de Berinjela

Nossa Fabiana, outra receita com berinjela?
É, gente, outra. Eu sou fanática por berinjela, se você aí do outro lado ainda não sabe ;)

Essa receita já deveria estar aqui porque é campeã de audiência em casa há tempos. Desde a época do Rainhas, uma amiga uruguaia me ensinou a fazer o que ela chamava de Pastelito de Berinjela. Depois de tantos anos, a receita nem é mais a mesma e por aqui ganhou o nome carinhoso de Quadradinho de Berinjela. É recheado e quase sempre com o que tiver disponível – ricota, cogumelo, frango desfiado e essa versão, com carne moída picante. Vou mostrar o passo a passo e você, quando for reproduzir, use o recheio que preferir, combinado?

A primeira coisa é cortar fatias de berinjela no sentido do comprimento, nem muito finas, nem muito grossas, e deixar de molho em água por uns 30 minutos. Depois, é só secar as fatias com papel toalha e grelhá-las levemente – em uma frigideira com um fiozinho de azeite coloca as fatias, salpica sal e pimenta e deixar dar uma amaciada, Você vai notar que a berinjela vai mudando de cor e ganhando um leve douradinho. Não precisa grelhar demais, ok? O propósito é mais deixar as fatias macias para você poder dobrar pra fazer os quadradinhos, assim ó:

Uma vez grelhadas todas as fatias (tenha em mente que você vai precisar de 2 para cada quadradinho, ok?) e, se o seu recheio estiver pronto, já dá para montar.

Como disse, eu usei um recheio de carne moída picante, que nada mais é do que um refogado de carne moída bem temperado com alho, cebola, páprica picante, pimenta dedo de moça, sal e azeitona preta. É bem básico e você pode fazer a carne do seu jeito. O pulo do gato é deixar o recheio mais sequinho, sem líquido ok?

Agora pra montar o quadradinho você usa duas fatias de berinjelas dispostas em formato de X e coloca uma colherada no recheio no meio, assim:

Pronto, agora é só fechar o quadradinho cruzando as pontas:

O resultado é este:

Para finalizar eu fui de mussarela, rodela de tomate e uma folhinha de manjericão só para perfumar. O queijo não pode ser muuuuito porque derrete e escorre.

Ficou assim:

Daí é só ir fazendo os quadradinhos, quantos você quiser, e colocando uma travessa ligeiramente untada com azeite. Se preferir, pode forrar a travessa com molho de tomate (ou branco, de repente) ok? Aliás, se você quiser, pode também usar molho de tomate por cima, no lugar do tomate – já fiz versões assim e também fica ótimo.
A receita é versátil e você vai fazendo do jeito que quiser. Por aqui já rolou com recheio de shiitake e molho de queijo por cima, com recheio de ricota e nozes, com franguinho desfiado com cenoura ralada… dentro do quadradinho você bota o que quiser.

Depois, é só levar ao forno baixo pré aquecido. Se você estiver usando molho também á rapidinho porque tudo já está cozido, é só mesmo o tempo do queijo derreter ou da rodela de tomate amaciar ligeiramente.

Aí é só servir. Eu sirvo como prato único, acompanhado por uma salada verde, mas de repente pode ser uma entrada ou um acompanhamento para um grelhado.

Fácil né? Que tal testar e me mostrar o resultado lá no Instagram? Use a hashtag #PimentaNoReino pra eu poder acompanhar (ou marque @faby_zanelati). Fechado? ;)

(antes do forno)

(depois do forno)

 

cozinha rápida legumes pratos únicos principais Receitas saladas sem glúten vegetarianos

Cambuci recheada

Já contei que aqui em casa diminuímos consideravelmente o consumo de carne, né? Pois é, e uma das consequências disso (além da economia$) é o exercício da criatividade. Em casa adoramos verduras e legumes, mas admito que às vezes é preciso ser criativo para não cair na armadilha fácil do refogadinho (que eu adoro também mas né, não todo dia). Um dos truques que mais lanço mão é o de rechear legumes.

Rechear não tem muito erro. Eu geralmente uso o que tenho disponível e quase sempre a fórmula queijo + qualquer outra coisa funciona que é uma beleza. Nos queijos dá para usar diversos tipos – do minas frescal (que eu uso muito), ricota, cottage, mascarpone e afins até cremes prontos, como os de ricota, que são uma mão na roda também. Enfim, toda essa prosa para dizer que vale a pena botar a cachola pra funcionar, vasculhar a geladeira e criar pratos recheados lindos e saborosos, como essa Cambuci assada e recheada com ricota e tâmaras.

Para o recheio usei cerca de 1/2 xícara de ricota – a quantidade varia de acordo com a quantidade de pimentas e do tamanho delas, as minhas eram grandinhas e usei apenas quatro – e quatro tâmaras picadas em cubinhos pequenos. Temperei com sal, pimenta, um fio de azeite e misturei bem. Juntei pimenta dedo de moça sem semente picadinha (uma lasquinha só) e cebolinha picada e estava pronto o recheio.

Retirei as sementes de dentro da cambuci e recheei com a ricota. Coloquei em uma assadeira e levei ao forno médio pré aquecido até dourar ligeiramente (gosto dela com uma certa crocância ainda). Servi com saladinha de folhas e mussarela de búfala.

legumes molhos Receitas saladas sem glúten vegana vegetarianos

Salada de batata doce com feijão

(sumida, hein Dona Fabiana?)

Ok, eu sei que batata doce anda com esse hype todo por conta dos marombeiros e das instagrammmmmmers fit da vida, mas eu como essa delícia desde criança – ou seja, muito antes dela virar a musa da academia – e adoro. De modos que, peço licença para pegar esse bonde e passar pra vocês a receita dessa salada da minha amiga Luciana que é simplesmente m a r a v i l h o s a. E, embora à primeira vista possa parecer uma receita que não orna, lhes digo: Orna, garanto. Se joga na receitinha com medida e tudo!

3 batatas doces médias descascadas e cortadas em cubos médios, 1 cebola grande picadinha, 1/2 xícara chá de azeite, pimenta dedo de moça sem semente picadinha (a gosto), 1 dente de alho, suco de 2 limões, 2 xícaras (chá) feijão preto cozido e escorrido (usei fradinho dessa vez), 1 pimentão vermelho ou amarelo sem sementes picado miúdo, 1 xícara chá de coentro fresco bem picadinho e sal e pimenta a gosto.

Pré aqueça o forno a 200ºC. Espalhe em uma assadeira os pedaços de batata doce e cebola em uma só camada, cobrindo com 2 colheres sopa de azeite. Tempere com sal e pimenta do reino moía. Asse, virando de vez e quando até que as batatas estejam moreninhas nos cantos e macias po dentro. leva cerca de 30 a 40 minutos. Tire do forno e mantenha na assadeira até a hora de misturar o molho.

Ponha no liquidificador a pimenta, o alho, o suco de limão, o resto do azeite e mais uma pitada de pimenta do reino. Bata até homogeneizar. Coloque as batatas ainda quentes em uma vasilha grande, junte o feijão cozido, o pimentão picado e acrescente o molho. Junte o coentro e mexa bem. Acerte o sal se necessário e deixe na geladeira até a hora de servir.

* nessa minha versão acrescentei castanhas picadas e acho que a crocância que ela dá foi super bem vinda.

cozinha rápida legumes pratos únicos principais reaproveitamento sem glúten tortas e quiches vegana vegetarianos

Torta de grão de bico com folha de beterraba

Aproveitar integralmente os alimentos é um dos pilares da minha cozinha caseira. Sou completamente contra desperdício e jogar comida fora é algo que me deixa passada, por isso vivo inventado receitas com cascas, folhas, talos… Tento não mandar nada pro lixo e numa dessas acontece um prato tão gostoso, mas tão gostoso, que nem parece nascido da teimosia de lavar, guardar e inventar um jeito de usar as folhas tão lindas que a maioria das pessoas simplesmente despreza.

Na minha compra semanal de orgânicos sempre tem cenoura, rabanete e beterraba com ramas e folhas e foi com essa última que fiz essa torta que ó, modéstia às favas, ficou um espetáculo. Eu prometo que vai ser fácil e que vai ser delícia, olha…

A massa leva apenas 3 ingredientes: grão de bico, tahine e azeite e tudo que você tem que fazer é processá-los até obter uma massa. Usei 200gr de grão de bico cozido e escorrido (pode ser o de lata) , 1 colher (chá) de tahine e um fio de azeite. Processei bem, juntei uma pitadinha de sal e a massa estava pronta.

Para o recheio, alho e cebola refogados em azeite até dourar. Juntei a folha de beterraba picadinha (tinha cerca de 1 1/2 xícara), 1 alho poró pequeno e palmito pupunha cortado em cubinhos (usei 4 rodelas). Temperei com sal e pimenta e cozinhei ligeiramente até que os talinhos das folhas estivessem macios, é jogo rapidíssimo.

Com a massa forrei o fundo e as laterais da forminha – as minhas são maiores que uma de empada comum e essa quantidade me rendeu 4 tortinhas. Coloquei o recheio, generoso, e forrei com mais massa.

torta_graodebico_4Levei ao forno (180C) pré aquecido e assei por 35 minutos. Tem que desenformar frio e com cuidado, porque a massa é bem delicada. Servi com uma “cobertura” de babaganush e gergelim e saladinha verde. Receitinha leve, econômica, sem glúten e vegana. Ó que maravilha?

Então, da próxima vez que você se deparar com aquele maço lindo de beterrabas com folhas, promete que vai lembrar de mim e dessa delicinha aqui? Temos um trato? ;)

torta_graodebico

torta_graodebico_2

torta_graodebico_3

Como fazer Choco chip cookie Nhoque de ricota e espinafre O que fazer com sobras de arroz? Como fazer massa fresca Espaguete de abobrinha com pesto de agrião