Geleia de maracujá

Se engana quem pensa que geleia é coisa só pra comer com torrada e pão! Geleia é uma ótima opção pra variar diversos pratos salgados – vai super bem com carnes grelhadas, no peixe e, acrescentada no molho da salada, dá um sabor todo especial e agridoce. Essa versão caseira é feita com a entrecasca do maracujá e é facílima de preparar.

A receita vem da minha amiga Rachel Chamusca que publicou essa delícia em sua timeline e que, quando eu disse que ia fazer,  logo me avisou: “você vai amar o perfume que invade a casa, enquanto a geleia cozinha em fogo baixo, loura”. Chelzinha do céu, você tinha TODA razão!
Então, vamos olhar pra geleia com mais carinho e produzir nossa própria e arrasadora versão maracujá que, além de perfumada e gostosa, ainda aproveita a fruta praticamente inteira, e isso a gente gosta muito não é mesmo?

O primeiro passo é descascar 3 maracujás (usei o azedo, o doce que está na foto foi só pra fazer firula), tirando só a partezinha amarela, tentando descascar fininho. Corte-os ao meio, retire as sementes e leve para o liquidificador com mais ou menos 1 copo de água, coe e reserve na geladeira. Eu coei o meu suco em uma peneira bem grossa, então o resultado tinha pintinhas da semente (achei lindo), mas se você preferir uma versão mais “limpinha” coe em peneira fininha ou em um pano limpo.

Retire a película interna da casca do maracujá – é fácil, só puxar que ela sai. Deixe a entrecasca bem limpinha, corte em pedaços grandes e leve ao fogo em uma panela de pressão com 2 copos de água. Cozinhe por 15 minutos. Abra a panela (depois de retirar a pressão), escorra e bata a entrecasca no liquidificador. O resultado é uma massa, que você vai levar à panela e acrescentar 1 xícara de chá de açucar para cada xícara que obter dessa massa (a quantidade de massa vai sempre depender do tamanho dos maracujás).  Junte o suco reservado, mexa e deixe no fogo baixo até reduzir, em panela destampada. Tome cuidado porque quando ela já está bem reduzida, pode espirrar um pouco.

Agora, pega aqui a dica da Chel: “A pectina da entrecasca deixa o doce com a maravilhosa consistência de geléia!”. Garota esperta! <3

Use sua geleia para acompanhar aquele filé de peixe ou a carne grelhada. No molho da salada, junte 1 colher de chá ao azeite e ao limão (ou vinagre) e ganhe uma camada delícia de sabor na saladinha do dia a dia. Ou, abuse das torradinhas ou panquecas americanas e deixe o café da manhã ou lanche ainda mais gostoso.


Chutney de tomate

A receita hoje tem origem na Índia e um pezinho na Itália. O chutney é um molho agridoce com especiarias (e às vezes também picante) de origem indiana pelo qual eu sou doida. A versão mais conhecida é de manga mas dá pra fazer com várias frutas, inclusive tomate. Aqui usei o italiano, beeem maduro, ótimo para aproveitar aqueles que já estão com os dias (ou horas) contados. O chutney vai bem com queijos, carnes, embutidos, vira uma base de molho incrível para o peito de frango em cubinhos e vai até (e muito bem) no hambúrguer – inclusive foi o destino deste potinho da foto ;)

A primeira coisa a fazer é tirar a pele dos tomates (já mostrei um jeito fácil aqui ó) – 1 kg de tomate rende um pote pequeno (cerca de 300gr) de chutney. Já sem a pele, corte o tomate em cubos e pode manter a semente se quiser.

Em uma panela refogue uns 4 dentes de alho amassados e uma cebola roxa grande picada em um fio de azeite. Quando dourar acrescente o tomate e mexa. Agora é hora de juntar mais ou menos 1 colher (sopa) de gengibre ralado, 1 pimenta dedo de moça (sem sementes) picadinha, 1 xícara de vinagre de arroz, 1 xícara de açucar mascavo, 1/2 xícara de açucar branco, uma pitada de sal e umas pitadas de: cravo em pó, canela, cominho e pimenta do reino, tudo a gosto. Lembrando que é bom adicionar as especiarias aos poucos e ir provando. Mexa bem, abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar e reduzir por uns 50 minutos. Dependendo do tomate, será preciso acrescentar água durante o processo. Neste meu eu não precisei acrescentar pq o tomate soltou bastante líquido, mas se o seu não soltar vá juntando um pouco de água quando for preciso.

A ideia é que ele reduza e vire um molho grosso, encorpado. Daí é você quem decide – se quiser uma versão mais rústica, sirva desse jeito, ou, para uma versão mais delicada, use o mixer ligeiramente. Quando ele estiver bem reduzido, desligue o fogo e deixe esfriar.

Depois de frio, guarde em recipiente de vidro esterilizado e com fechamento hermético e mantenha em geladeira. Dura umas duas semanas, mas sempre acaba antes ;)

Focaccia vapt vupt

Focaccia é um tipo de pão italiano feito do jeito tradicional – fermento vivo, sova, descanso e aquela coisa toda que eu acho linda. Só que às vezes a preguiça é maior do que a vontade e aí a gente apela. Eu apelei pro liquidificador e para o fermento químico (shame on me, eu sei) e, por isso mesmo, talvez nem seja o caso de ofender os puristas chamando a receita de focaccia… but, acrescentei um vapt vupt no nome que é pra já descaracterizar aquela coisa italiana toda linda e, assim, não ofender ninguém (oremos!). Pode chamar de focaccia de preguiçoso também, ou de pão de liquidificador, fica à vontade :)

Bati no liquidificador 3 ovos, 3/4 xícara de óleo, 1 xícara de leite, 1 colher (chá) de sal e 1 xícara (chá) de farinha de trigo. É só bater bem, depois colocar numa tigela grande e juntar mais 2 xícaras (chá) de farinha de trigo, misturando bem, e finalizar com 1 1/2 colher de fermento químico em pó, mexendo só para incorporar.

Em uma assadeira untada e enfarinhada, coloque a massa e por cima azeite, sal grosso e alecrim – eu ainda incrementei com parmesão e azeitonas pretas.

Vai ao forno pré aquecido (200C) por 30 minutos e está pronto.

focaccia_liquidificador_1

Viu? Não é assim uma focaaaaaccia verdadeira mas te garanto que fica uma delícia. Com azeite e sal vira um petisco daqueles impossíveis de parar de comer e uma ótima pedida na companhia de um vinho.

Mas ó… se você quiser fazer a focaccia do jeito que se deve, meu amigo Leandro do Cozinha Pequena já ensinou tudo direitinho aqui ó. Se joga! ;)

Antepasto assado de abobrinha e maçã

Era um feriado daqueles bons de emendar… semana acabando, dia ensolarado, cidade gostosa pra circular e o convite da amiga querida para um almoço preguiçoso, regado a comidinha caseira, bom papo e vinho branco geladinho. Meu tipo favorito de programa, tenho que confessar <3

Abri a geladeira em busca de algo que pudesse levar para petiscar e não encontrei nada. Dava pra encarar um supermercado ou mesmo a padoca da esquina, mas eu dei de cara com aquelas abobrinhas orgânicas lindas e pensei, pq não? Era o tempo de cortar tudo, botar no forno e, enquanto ele trabalhava, eu ainda tinha tempo de organizar mil outras coisas. Melhor do que fila de supermercado? Ô! Mas, mais do que isso, o improviso criou uma receita que com certeza repetirei muitas vezes. Ficou bom demais e eu te prometo que a sua parte na empreitada não leva mais do que 10 minutos. Vem comigo…

O trucão é ter uma mandoline ou um cortador/fatiador de legumes, daqueles que a gente encontra em qualquer loja de utensílios e são baratinhos. Aqui em SP o melhor lugar para encontrá-los é na Liberdade. 

Bom, de posse do seu fatiador, tudo que você tem a fazer é fatiar bem fininho (e direto na assadeira já) uma abobrinha grande (ou duas menores). Te garanto – é pá pum. Abobrinha cortada, faça o mesmo com uma cebola e uma maçã grande (ou 2 pequenas). Tire apenas o cabinho e o caroço central e passe pelo fatiador. 

Ok, seu trabalho está quase finalizado. Agora basta acrescentar um pedacinho de gengibre ralado, uma mão cheia de uva passa preta (#freeuvapassa!), uns três ou quatro dentes de alho, azeitona preta picadinha (usei a portuguesa), sal (usei um moído com ervas), pimenta calabresa, 02 colheres de vinagre balsâmico, um splash de limão e uma regada generosa de azeite. Misture tudo e leve ao forno médio pré aquecido por uns 30 minutos, ou até que tudo esteja moreninho e caramelizado.

antepasto_abobrinha2

Pronto! Eu não prometi que não ia te dar trabalho? ;)

Se quiser guardar, coloque em vidro esterilizado e acrescente um pouco de azeite. Dura uns sete dias na geladeira, mas aqui em casa não sobra nem pro dia seguinte :P

antepasto_abobrinha(antepastos fazem as pessoas felizes, vai por mim)

Ricota caseira

Talvez você também ache ricota uma coisa sem graça – e eu vou ter que concordar contigo. Tenho amigas muito mais chiques e elegantes que comem ricota pura, assim, no café da manhã, saca? (beijo Dadi, beijo Dani!) Eu não sou dessas, mas tenho que admitir que uso muito a ricota em receitas, sempre temperada ou acompanhada de algo. Ela é levinha e muito versátil, é verdade, mas eu andava achando todas também muito (mais) sem graça. Foi então que resolvi fazer a minha e, gente, é muito fácil. Fácil mesmo! Bobo, até.

Essa eu fiz para petisco. Servi com cebola caramelizada e amêndoas torradas, acompanhando bolachinhas de água e foi um tremendo sucesso. A gostosura da ricota tem muito a ver com a qualidade do leite que você utilizar, mas eu garanto que você não se arrependerá de testar essa receita.

Usei 2 litros de leite integral tipo A (de saquinho). Basta levar ao fogo em uma panela e esperar que comece a formar uma espuma e ferver. Nesse momento é só desligar o fogo e juntar 3 colheres de sopa de suco de limão peneirado e o sal (se você quiser salgar) e mexer bem. O resultado é que o leite começa imediatamente a talhar e o soro vai se separando. É só esperar uns minutinhos e quando estiver bem talhado tem que coar – eu uso o escorredor de macarrão forrado com um pano fininho (um pano/saco fino de algodão, voal ou tule). Tem que espremer bem para retirar todo o soro. O que restar dentro do pano já é sua ricota. Tudo que você tem a fazer é colocá-la em um recipiente para moldar – usei um ramequim pequeno (ou seja, para 2 litros de leite o rendimento é pouco mais do que um ramequim de 10cm ou 240 ml). Depois, coloque algo pesado por cima, para ajudar a moldar bem – eu coloco uma tábua e uma panela cheia de água por cima, só para ficar pesado.

Algumas horinhas de geladeira e está pronta a sua ricota!

***

Para fazer a cebola caramelizada cortei duas cebolas em meia luas e levei ao fogo com um tico de sal e umas duas colheres de molho inglês. Basta deixar que o fogo faça o trabalho. A cebola vai dourando e caramelizando.

***
A amêndoa você compra laminada e doura numa frigideira ou no forno. Rapidinho, tipo dois palitos :)

p.s: Pena não ter uma foto dela partida. Culpem os vikings que a devoraram em minutos.

Patê de berinjela

Que eu sou doida por berinjela todo mundo já sabe, e que meu antepasto é sucesso também (sem falsa modéstia gente, até dinheiro já ganhei com essa receita!). Mas num é que outro dia eu inventei um patêzinho pra servir numa rodada de petiscos para amigos, que ó…ficou delícia? E é bem fácil de fazer, olha só…

A primeira coisa é cortar as berinjelas ao meio, no sentido do comprimento, colocar em uma assadeira, regar com azeite e sal moído na hora e levar ao forno pra assar até que a polpa da berinjela esteja bem macia. Na real, demora um pouco, então o melhor a fazer é aproveitar o forno que já está ligado para outro assado. Eu peguei carona num bolo dia desses e tasquei as berinjelas no forno também (o meu é grande, então super rola dividir o espaço). O tempo de forno varia um pouco de acordo com o tamanho da berinjela, mas deve dar uns 40 minutinhos mais ou menos.

Ok, depois de assada, é só você usar uma colher para retirar a polpa da berinjela e colocar numa tigelinha. Não precisa processar, bater, nada disso. Basta juntar uma colherada de cream cheese, azeite, pimenta do reino e mexer bem. Hora de acertar o sal e finalizar com hortelã picadinha. Prontinho. Não falei que era fácil? ;)

Dá pra servir com pão, torradinhas, aquele pão sueco, ou dá para usar num sanduíche, como uma pastinha.

Eu servi com um pão de malte que eu fiz. A receita dele já está aqui. Nesse eu só juntei linhaça.
pao_malte_2

Bolinhas de búfala e damasco

Fiquei na dúvida na hora de dar nome à receita… Petisco de ricota de búfala? Almôndegas de ricota? Na dúvida, escolhi o mais fofo – bolinhas de búfala, que você pode comer como petisco, como almôndega, usar na salada … você escolhe.

Processei 200gr de ricota de búfala com 2 colheres de cream cheese até obter uma massa homogênea. Temperei com sal, pimenta branca, azeite e noz moscada ralada. Com essa massa, abri um círculo na mão, coloquei um cubo de damasco e fechei, formando uma bolinha.

É isso :)

O que você faz com isso? Bom, você pode levar as bolinhas à geladeira por cerca de 1 hora e depois colocá-las em azeite extra virgem com a erva de sua preferência. Dá para servir como petisco para aquele amigo vegetariano! Dá pra colocar um molho branco por cima e servir como almôndega, acompanhando um grelhado por exemplo. Dá até para colocar na salada verde – dá um charme e acrescenta sabor, em casa a gente adora!

Bobo né? Mas é fácil e fica muito gostosinho. Precisa mais? ;)

Ratatouille wannabe


Receitas clássicas sempre geram uma certa polêmica. Tem que seguir à risca? Pode “revisitar” (odeio essa palavra)? Se trocar um ingrediente deixa de ser o mesmo prato? Enfim, quando se trata de uma receita tradicional, clássica, todo cuidado é pouco. Por isso resolvi chamar esse prato de Ratatouille wannabe.

Os mais puristas vão criticar o formato, o modo de fazer, a falta do molho, o tempero… Então, se você é desse time, fique à vontade para chamar o prato de outro nome, ok? Só não vale deixar de fazer porque ó… é delícia, é fácil, é prático e pode virar acompanhamento, petisco, entrada… versátil que só!

Receita, receita messsmo, não tem (já ouço as vaias! rs), mas o jeito que eu preparo é bem simples – só cortar abobrinha, berinjela, cebola, pimentão e tomate e ir dispondo todas as fatias alternadamente em uma refratária. Feito isso, você coloca ervas de sua preferência – eu usei orégano, louro e manjericão – tempera com sal e pimenta (usei a calabresa), rega com azeite e leva ao forno quente, preaquecido até que os vegetais estejam macios.

Mais simples impossível, né? E isso pra comer com torradinha ou para acompanhar um grelhado! Perdição, gente! Perdição :)

Refogar ou Assar?

Nessa questão aí eu já escolhi meu lado, viu? Lá em casa, se tem uma coisa que trabalha (e muito!), é o forno.

O engraçado é que houve um tempo em que eu achava que fazer as coisas no forno era sempre mais demorado. Bem, eu não poderia estar mais enganada.

Aqui por exemplo, meu único trabalho foi picar a berinjela, os pimentões, tomate, cebola, o alho (só descascar e esmagar levemente), temperar com sal, pimenta calabresa, colocar folhas de louro, manjericão e orégano, regar com azeite e levar ao forno, incialmente coberto com papel alumínio e depois sem. O tempo de forno varia, mas no meu foi coisa de 20 minutos.

O bom do forno é que ele te libera pra fazer outras coisas e não te obriga necessariamente a ficar plantada na beira do fogão. Você bota o trem lá* e vai cuidar da vida. Adoro.

Ah! E essa berinjela fica deliciosa para acompanhar a salada, a massa ou virar antepasto e ser servido com pão ou torradinhas.

***

* continuo possuída por um espírito mineiro.

Pimentões defumados

Lembram que comentei que ia falar sobre um defumador a frio que uma leitora do Rainhas tinha me mandado? É, faz tempo, eu sei… mas, antes tarde do que nunca, né? ;)

Pois então, quem projetou e fabricou o defumador foi o Mário, marido da Rita Sponchiado lá de Campinas. O aparelhinho engenhoso permite que a gente defume em poucos minutos qualquer tipo de ingrediente. Minha experiência com legumes tem sido ótima, principalmente com tomates e pimentões, que ficam excepcionalmente bons quando defumados.

As fotos abaixo são de uma defumação justamente com tomates, para uma saladinha. Gente, vocês não tem noção como fica boa uma salada com essa pegada defumada!

Para fazer os pimentões, primeiro defumei os pimentões vermelhos já sem sementes e depois assei um pouco, até que a pele estivesse no ponto bom para soltar. Depois, temperei com bastante azeite, alho frito e orégano e servi meio que de bobeira, só pra testar mesmo, em um churrasco em casa. Resultado: não deu pra quem quis! O povo a.m.o.u e, se dependesse deles, eu teria feito quilos de pimentão e ainda assim era capaz de faltar ;)

No vídeo abaixo você pode entender melhor como funciona a maquineta e ter uma ideia do mundo novo que se abre quando se tem um desses à mão. Nem preciso dizer que meus amigos amaram a novidade né?

Mais informações sobre o defumador você pode encontrar em:
http://minidefumador.blogspot.com/
dfirmo@gmail.com