Creme de abóbora e cenoura

Sou apaixonada por abóbora, principalmente pela cabochan (cabochã, cabotiã, cabocha, whatever) ou abóbora japonesa, como também é conhecida por aqui. É aquela da casca grossa (terrível de descascar!) e escura, e sabor bem docinho. Amo. Em casa sempre tem e quando não compro já descascada (pq né, Deus é mais!) eu costumo assar com casca e tudo, como já ensinei aqui nesse creminho com gengibre. Pois bem, hoje vou mostrar como faço essa outra versão de creme, sem precisar assar, ideal pra quem tem pressa.

O primeiro passo é descascar a abóbora e cortá-la em cubinhos (vai com fé!), cerca de uns 500gr. Depois, é só fazer o mesmo com umas 2 cenouras grandes, também em cubinhos.

Em uma panela coloque um fio de azeite e acrescente 1 cebola e uns 2 dentes de alho amassado. Deixe até que esteja começando a dourar. Acrescente a abóbora e a cenoura picadas. Tempere com sal e pimenta (acrescente um pedacinho de gengibre ralado para dar mais sabor ainda!) e uma pitada de noz moscada ralada. Junte uma folhinha de louro, cubra com caldo de legumes (até uns 3 dedos acima), tampe e deixe cozinhar até que a abóbora e a cenoura esteja macias.

Retire a folha de louro e use um mixer direto na panela para transformar tudo em um creme. Se não tiver, leve tudo ao liquidificador e depois retorne para a panela. Acerte o tempero, desligue e sirva com parmesão ralado, um fio de azeite e mais pimenta do reino moída na hora.

Se preferir um creme mais suave, junte um pouco de creme de leite no final do cozimento (depois de usar ou mixer ou liquidificador).

Dá pra servir esse creme também dentro do pão italiano, aquele redondinho. Fica loosho e aí é só abrir um vinho e garantir um jantar quentinho e saboroso. A-do-ro.

Sopa creme de mandioquinha com couve

Eu não sei vocês, mas eu não sobrevivo ao inverno sem doses generosas de sopa. Aqui, regastei uma receita minha antiga, mas que sempre pinta na minha cozinha em noites frias. Em uma versão, digamos, mais levinha, o creme de mandioquinha comum ganhou ainda mais sabor com a couve. E o preparo? Pá-pum, olha só…

Descasquei, corte em rodelas e cozinhei a mandioquinha em caldo de legumes com uma folha de louro. Quando ela estava cozida, retirei o louro e a amassei na panela mesmo, mantendo o caldo onde ela cozinhou. À parte, refoguei cebola ralada em azeite com um pouquinho de nada de alho amassado e juntei esse refogado lá na panela com a mandioquinha. Acrescentai um tantinho de água (ou caldo), temperei com pimenta branca moída, sal e um pouquinho de cardamomo. Deixei engrossar um pouco, mexendo sempre pra não grudar na panela. Quando estava tudo incorporado juntei a couve manteiga picada, desliguei o fogo e tampei a panela por uns minutinhos – a couve não é pra ficar cozinhando não, senão fica sem cor e murchona.
Pode-se juntar ainda creme de leite, mas eu achei que do jeito que estava não carecia de absolutamente mais nada.

Eu não disse que era pá-pum? ;)

Sopa de grão de bico com alecrim


A receita está entitulada como sopa mas o próprio autor, o chef Jamie Oliver em seu livro A Itália de Jamie Oliver, confessa não saber bem se ela é sopa ou massa, mas tanto ele quanto eu optamos por chamá-la de sopa e finito.

O livro em questão é parte do mesmo material usado na minisérie homônima transmitida no Brasil pelo GNT e traz imagens belíssimas em fotos que mereceriam até uma moldura. Então, se você não tem o livro, corre! Vale a pena o investimento para descobrir o olhar que o chef lançou sobre velhos clássicos da culinária italiana (alguns até que ele nem deveria ter mexido, but…rs). É, no mínimo interessante, ver como é possível introduzir novidade (não sem muita luta – quem viu a série sabe bem do que estou falando) sem necessariamente perder a essência. Para aqueles que torcem o nariz para as modernidades e esquisitices do chef inglês (eu mesma já fui uma dessas pessoas) ainda assim o livro vale a pena, nem que seja apenas para conhecer mais da culinária italiana, sobre a qual ela fala bastante no livro.

Vai lá… finalmente a receita…

O que vai na sopa: grão-de-bico cozido em caldo de galinha, massa para sopa (pequena e de preferência de grano duro – eu usei argolinha), cebola, alho, um ramo de alecrim, talos de salsão picado, azeite extra virgem e manjericão.

Numa panela coloque o azeite, o alecrim picado finamente (finamente é finamente mesmo, ok?), a cebola, o alho e salsão e cozinhe em panela tampada e fogo baixo (mexendo de vez em quando) por uns 15/20 minutos, até que todos os ingredientes estejam macios e transparentes. Pegue parte do grão de bico cozido e passe pelo processador (ou liquidificador) junto com os ingredientes da panela (reserve a outra parte dos grãos inteiros). Leve a parte processada à panela novamente, mexa, junte a massa escolhida e deixe até que ela cozinhe. Ao final, junte os grãos inteiros do grão de bico, tempere com sal e pimenta do moinho e desligue. Se durante esse processo, o caldo for ficando muito espesso, pode ir acrescentando mais caldo de galinha.

Na hora de servir, coloque por cima folhas de manjericão rasgadas e regue com azeite honestíssimo.

Olha… que coisa boa meu pai! Coma rezando, de joelhos, pedindo perdão por todas as vezes que você achou que o Jamie Oliver era um fuinha.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Sopa creme de ervilha

Esfriou por aí? Faça sopa de ervilha com bacon e garanta aquele calorzinho gostoso e um bocado de sustança. E não tem como ser mais fácil, olha só…

Coloque cubinhos de bacon magro na panela de pressão e deixe até que eles estejam dourados. Retire-os e reserve. Na gordura que o bacon soltou coloque alho e cebola picadinhos e deixe até que a cebola fique transparente. Junte a ervilha seca (para 6 pessoas usei 1 1/2 xícara), cubra com água ou caldo de sua preferência (cerca de 1 1/2 litro), acrescente umas 2 folhas de louro, umas folhinhas de tomilho, tempere com sal e pimenta à gosto e um tico de cominho, feche a panela e cozinhe até a ervilha desmanchar. Depois, é só retirar as folhas de louro e usar um mixer direto na panela para transformar a sopa num creme homogêneo (pode usar o liquidificador) – se preferir deixá-la mais rústica e com pedacinhos de ervilha, é só pular essa etapa. Pode-se acrescentar um tantinho de creme de leite mas, acredite, nem vai precisar de mais nada para deixar sua sopa suave e cremosa.

Na hora de servir é só salpicar com os cubos de bacon dourados e um fiozinho de azeite.

[acrescente glam!] Sirva a sopa dentro do pão italiano :)

Cozinha da leitora – Sopa de legumes da Paty

A leitora Paty tinha soltado no Facebook que fazia uma sopinha de legumes que era de babar. Lógico que eu já pedi a receita (sou ligeira, gente!). Ela mandou e eu publico agora (com muito atraso, sorry Paty!).
Mandioquinha, chuchu, inhame, abobrinha… essa sopa não tem como não ser MUITO boa mesmo, Paty!
Gracias por dividir a receita conosco (e o capricho na edição da imagem? adorei).
Bjo!
Faby

Sopa de fubá da vovó

Esfriou aí também? Aqui gelou. Temperaturas insanas e noticiário falando em sensação térmica de -30ºC (sério, gente, o que foi isso, pelamor?????). Cruuuzes!

Bom, se tá frio tem que ter sopa! Essa é a regra lá em casa. Eu ataquei de sopinha de fubá daquelas bem simples, que a vovó fazia, saca? Adoro e acho baba de fazer…

Tenha em mente que você vai usar cerca de 1 xícara de fubá e mais ou menos 1 litro de água/caldo. Primeiro, coloque o fubá numa tigela e acrescente um pouco da água fria, pra fazer uma espécie de “papa”.  Agora, esquente uma panela e doure cebola e alho e uma folha de louro. Junte lá a pastinha do fubá, mexa e coloque o restante da água que, neste caso, pode até ser caldo de legumes, ok? Tempere com sal e pimenta, mexa bem, espere começar a borbulhar, abaixe o fogo e cozinhe lentamente, mexendo sempre para não empelotar. Leva uns 20 minutos até o fubá cozinhar bem… se for preciso, acrescente mais água/caldo nesse período, sempre devagarzinho e tomando cuidado para o fubá não espirrar em você.

Note que é um processo bem parecido com o da polenta. A diferença aqui é que a intenção é deixar a mistura mais molinha, cremosinha…

Tá, isso aí é o básico do básico, tá? Se você quiser algo mais incrementando, experimente picar uma linguiça calabresa, dourar e depois acrescentar o alho e a cebola. Bacon também fica delícia, mas né… o que não fica bom com bacon, me diz? ;)

Aqui eu servi a sopa com um restinho de picadinho de músculo que eu já tinha pronto. Só coloquei por cima, finalizei com cheiro verde picadinho e pimenta do reino moída na hora e foi!

Prato quentinho, aconchegante, com cara de vó. Fala, não é uma gostosura? ;)

Sopa creme de abóbora com gengibre

Tá frio aí? Aqui está, e essa é a deixa para abrir oficialmente a temporada de sopas. Eba!!!

Quem me conhece sabe que eu sou uma espécie de… sopólatra (será que tem tratamento já? rs) e as sopas creme são das minhas favoritas – adooooro!

Essa foi feita com abóbora, gengibre, creme de ricota e…bem, eu meti um bacon no final porque eu estava afins de uma coisinha mais…er… hard ;) Mas ó, o bacon é super opcional e na verdade nem faz diferença, já que aqui o que importa mesmo é a doçura da abóbora e a leve picância do gengibre.

O primeiro passo é assar a abóbora. Tá, daí você me pergunta “Assar, Fabiana? Não posso simplesmente cozinhar?”. Veja bem, poder você pode tuuuudo mas, como já diria minha sábia amiga Érica “não há bônus sem ônus”. É mais fácil cozinhar, claro, mas eu posso te garantir que a abóbora assada faz toda diferença e você ainda mantém todo o sabor dela (e pode aproveitar a casca para fazer bolinhos e as sementes assadas podem virar aperitivo!).

Para assar a abóbora basta cortá-la, colocar na assadeira, cobrir com papel alumínio e assar até que a polpa esteja bem macia. Enquanto isso, aqueça azeite em uma panela e coloque uns 2 dentes de alho picadinhos para dourar e depois 1 cebola cortada bem fininha, até que ela fique transparente. Agora, traga a polpa da abóbora que você já assou e misture bem. Acrescente cerca de 1/2 litro de caldo de legumes e mexa para incorporar. Se ficar grosso demais, coloque mais caldo – a ideia é que seja um creme consistente, mas não um purê, ok?

Junte um pedaço de gengibre ralado (use a gosto, mas comece com pouca quantidade e coloque mais, se for necessário) e misture. Coloque umas 3 colheres de creme de ricota (ou pode ser creme de leite, ou cream cheese, ou nata, ou requeijão…), eu gosto do creme de ricota porque ele ajuda na textura mas tem um sabor super leve. Misture tudo bem e, se tiver, finalize na própria panela com um mixer – isso deixa a sopa mais lisinha, mais homogênea, mas é opcional… se você quiser uma sopa mais rústica, pule essa parte. Ah! E se você não tiver mixer, pode levar à mistura ao liquidificador também que super funciona bem.

Ao final, acerte o tempero – sal, pimenta e , se quiser, salsinha e cebolinha picadinhos.

Para servir, você pode finalizar com as ervas, com o bacon em cubinhos como eu fiz, ou mesmo com uma generosa colherada de creme de ricota. Abra um vinho e seja generosa na quantidade de sopa – o povo semmmmpre repete, vai por mim :)

Caldo Verde

Quer uma sopinha boa, encorpada e cheia de sustância? Faça um caldo verde – é sucesso garantido.

Para começar o preparo, cozinhe batatas descascadas em partes iguais de água e de caldo de legumes ou carne, de preferência caseiro porque faz muita diferença, vai por mim. Daí quando a batata estiver cozida, você escorre, reserva esse caldo do cozimento e passa as batatas pelo espremedor ou processador.

Numa panela grossa frite bacon magro (ou lombo de bacon) em cubinhos no azeite. Quando estiverem dourados, acrescente paio e calabresa defumada cortada em cubinhos pequenos e deixe fritar também. Quando tudo estiver muito beem frito, naquela fase já de começar a “pegar” no fundo da panela (por isso eu falei panela grossa, sacou? e nós queremos uma sopa com cor, moreninha e não um caldo branquelo, correto?), junte cebola ralada e alho espremido em porções generosas e deixe dourar. Acrescente folhas de louro, o purê de batatas e o caldo reservado, complete com mais caldo até obter uma consistência cremosa e deixe um pouco mais no fogo para que os sabores apurem. Acerte o sal, junte pimenta calabresa e muita salsinha.

Um pouco antes de desligar acrescente azeite extra virgem e couve manteiga picadinha. Não é para cozinhar a couve comadre, couve não precisa ser cozida, só abafada, para que ela fique bem verdinha e mantenha o gosto. Se você for deixar a sopa pré-preparada, deixe para acrescentar a couve no momento em que for esquentá-la antes de servir. Ah! Também não é pra deixar a couve em tirinhas como na feijoada não! É pra picar mesmo, pra facilitar a vida de quem vai tomar a sopa, certo?

Sirva quentinha com torradinhas, croutons, parmesão ralado e vinho tinto.

Sucesso absoluto… já falei, né? ;)

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Creme de mandioquinha

Essa sopa creme figura na lista das receitas-mais-fáceis-de-todos-os-tempos e prepará-la é tão fácil que é impossível não deixar de pensar que, de fato, é na simplicidade que está o segredo de todas as coisas.

Descasque a mandioquinha, corte em rodelas e leve para cozinhar numa panela com água e caldo de sua preferência. Quando cozida, leve tudo para o liquidificador, bata e reserve.
Em uma panela coloque azeite e cebola ralada até que ela fique transparente (não precisa dourar). Junte a mandioquinha batida, sal, pimenta branca e noz moscada ralada na hora. Desligue o fogo, acrescente creme de leite, salsinha picada e sirva. Se quiser, pode ainda regar com azeite ou acrescentar colheradas de queijo cremoso já no prato.

Como se vê, é uma receita simples e leve, com sabor muito delicado, suave, perfeito para uma entrada. Porém, caso você prefira, pode também incorporar carne, frango, linguiça e abusar um pouco mais das especiarias como curry, pimenta síria ou mesmo usar o creme como base para uma sopa com legumes picados e uma massa do tipo padre nosso ou argolinha por exemplo. Enfim, pode ser leve ou nem tanto – você escolhe.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Sopa creme de mandioca

No domingo foi aniversário da minha mãe e eu fiz uma costelada em casa para ela e seus convidados. Videokê até altas horas, quase 10Kg de costela no forno à moda da Faby, farofa de feijão de corda e manteiga de garrafa (a sensação da festa), salada e claro, mandioca cozida, o que na minha opinião é o que melhor acompanha a costela.
No final da festa, a única coisa que sobrou foi a mandioca cozida que hoje, graças à temperatura siberiana que faz lá fora, virou uma sopa creme deliciosa.

Comprei um pouco de cubos para ensopado (eles usam carne de segunda de onde é retirada toda a gordura) e levei à pressão com azeite, cebola, alho, folhas de louro, pimenta branca e sal. Dourei muito bem (veja a cor da sopa) até quase “pegar” no fundo da panela, cobri com água e deixei cozinhar até a carne praticamente desmanchar.
Depois de cozida, separei o caldo da carne e levei ao liquidificador com a mandioca já cozida (aqueci previamente no microondas) e bati até formar um creme. Levei de volta à panela da carne e deixei que tudo cozinhasse junto por mais alguns minutos. Acertei o sal, coloquei uma pitada de noz moscada e já na sopeira salpiquei salsinha picada.
Dessa mesma forma você pode fazer a sopa substituindo a mandioca por abóbora, mandioquinha, batata, batata doce… de toda forma fica boa.

O resultado aqui foi uma sopa deliciosa, encorpada e cheia de sustância, boa para preparar o espírito para a madrugada fria que virá – segundo o noticiário teremos 10ºC.

Brrrr!

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Sopa Tailandesa de frango e côco

As fotos, como vocês podem ver, não ficaram boas, mas o sabor dessa sopa…hmmmmm… não é bom, é ótimo.
A culinária tailandesa tem uma característica muito forte de misturar sabores com o intuito de despertar os sentidos de quem a prova. Ora doce, ora salgada, ora picante e às vezes com tudo isso acontecendo ao mesmo tempo, mas sem que os sabores “briguem”, ao contrário, se tornem harmônicos. Eu acho que é bem isso que acontece nessa sopa.

Vou te contar como foi que eu fiz essa sopinha aí que encantou minhas convidadas…

Pra começar cozinhei na pressão um peito de frango com osso, apenas em sal e louro. Depois de cozido, desfiei e reservei o frango e o caldo que se formou. Aqui cabe uma observação – você ao invés de desfiar pode cortar o frango em cubinhos. Eu já provei dos dois jeitos e acho que em cubinhos fica melhor esteticamente falando mas o sabor não muda, então vai do gosto de cada um mesmo.

Numa panela grande coloquei um fio de azeite, cebola roxa cortadas em pedaços beeem pequenos e alho bem picado. Cozinhei até a cebola ficar transparente, juntei gengibre ralado (cerca de 2 colheres de sopa), juntei o frango e coloquei o caldo do seu cozimento e deixer ferver (se necessário acrescente mais água). Depois de fervido, juntei 800ml de leite de côco (eu fiz uma quantidade para 12 pessoas), deixei ferver mais, acertei o sal e depois de desligado acrescentei 1 pimenta dedo-de-moça sem semente muito bem picadinha e o caldo de 1 limão.
Depois de colocar o limão a sopa precisa ser servida imediatamente.
Para finalizar, já no prato, basta salpicar uma quantidade generosa de coentro fresco e provar a delícia.

E com esse frio siberiano que está fazendo aqui… yummy… que vontade que deu.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar