Paella

Essa semana eu pedi uma paella maravilhosa pelo PedidosJá, que acabou me dando coragem de fazer uma em casa.

Paella é um prato que intimida: você vê todos aqueles ingredientes e pensa logo na dificuldade que deve ser fazer tudo aquilo. Mas tenho uma receita super fácil e deliciosa para dividir com vocês.

Esquente 3 colheres de azeite de oliva em uma frigideira grande em fogo médio. Adicione 4 linguiças de peito de frango cortadas em pedacinhos, 2 peitos de frango cortados em cubinhos e cozinhe por 5 minutos, com a frigideira tampada. Na sequência, acrescente 1 pimentão vermelho e 1 pimentão verde picadinhos, e misture com a linguiça e o frango. Tampe novamente e deixe cozinhar por mais 5 minutos, em fogo médio. Coloque 400g de camarão e deixe cozinhar até que eles fiquem vermelhos. Adicione 8 folhas de cebolinha picadas, 1 colher de chá de pimenta chili em pó, um pouquinho de cúrcuma para dar cor, sal e pimenta a gosto. Retire do fogo e mantenha a frigideira tampada por um tempo para que os camarões e a cebolinha continuem cozinhando sem queimar. Reserve.

Cozinhe duas xícaras de arroz, ou orzo, conforme os procedimentos normais da embalagem. Drene a água, e reserve uma boa quantidade desse líquido. Adicione o arroz, ou o orzo, à mistura da frigideira e mexa até que se misturem bem, deixando o prato homogêneo.

A paella está pronta e a água reservada poderá ser usada para deixá-la mais úmida – caso queira. Daí, é só adicioná-las aos poucos até chegar à consistência desejada.

Adicione mais sal e pimenta caso necessário.

Pronto! Agora é só servir e se deliciar com essa paella caseira super fácil. ;)

guest_pedidos

Arroz caldoso de frutos do mar

Fabiana, você só pode escolher um único ingrediente para o resto da vida, qual vai ser? Nem vou titubear pra responder: ARROZ!

Eu sou doida por arroz. Quando vou limpar os armários da cozinha é que me dou conta disso – sou praticamente uma colecionadora de arrozes. E talvez por causa disso, aqui em casa não faltam receitas com esse ingrediente. É o caso desse arroz caldoso, que lembra um risoto mas é feito com arroz comum agulhinha ou, como nessa minha versão, com o integral.

Usei mexilhão, camarão, lula e vôngole – uns 200 gramas de cada mais ou menos.  Em uma frigideira coloquei um fio de azeite e dei um susto nas lulas e depois nos camarões. É só temperar ambos com sal e pimenta e colocar (um de cada vez) na frigideira por uns 2 minutos. Depois, tira do fogo e reserva.

Para fazer o arroz basta dourar alho e cebola, juntar o arroz (1 xícara), fritar um pouco e acrescentar 1/2 xícara de vinho branco. Tem que mexer, misturar e deixar o vinho evaporar. Evaporou, junte açafrão em pó, tempere com sal, cubra com água e deixe cozinhar (eu usei arroz integral, por isso fiz o processo na panela de pressão, pra ser mais rápido).

Quando o arroz estiver quase cozido (mais ou menos na metade do cozimento) e ainda restar um pouco de água, é só juntar o vôngole e o mexilhão, tomate sem semente em cubinhos, ervilha e pimentão vermelho picadinho. Mexer para incorporar e deixar o arroz finalizar o cozimento. Antes da água secar totalmente, desligue o fogo, traga os camarões e lulas para a panela, misture, junte salsinha picada, acerte o sal e acrescente pimenta calabresa. O resultado final deve ser um arroz cremoso, com um pouco de caldo ainda – o tomate vai soltar água também e ajudar a deixá-lo molhadinho.

Na hora de servir, regue com azeite.

Taí uma receita de prato único que faz bonito, do jeitinho que eu gosto :)

Bolinho assado de peixe

Bolinho é uma unanimidade. Com uma cervejinha gelada então! Eu, pelo menos, adoro. Só que fritura por imersão é o tipo de coisa que eu não faço – penso na quantidade de óleo (e depois na treta para o descarte desse óleo sujo), na sujeira e nas calorias e… desisto. Por isso, o forno em casa funciona que é uma beleza. Inclusive para os bolinhos.

Pra assar, o forno deve estar pré-aquecido e, se você não tiver um Silpat (o tapetinho de silicone), melhor uma assadeira antiaderente. Importante também virar na metade do tempo, pra dourar por igual. Assim, dá pra assar tudo que você fritaria. Fica igual? Não né? Mas fica tão bom quanto e com benefícios. Você escolhe :)

Para fazer um bolinho de peixe você pode usar qualquer sobra que tiver em casa – fez filé de peixe e sobrou? Assou um peixão inteiro e ficou um restinho? Dá pra usar no bolinho! Eu usei 2 filés de tilápia nesses bolinhos. A única coisa que fiz foi colocá-los numa assadeira e passar pelo forno pré-aquecido uns 5 minutos. Se o peixe já estiver cozido, nem precisa.

Então, para a massa do bolinho você vai precisar de 1 xícara de peixe desfiado, 1 batata pequena cozida e amassada, 2 colheres (sopa) de farinha de trigo (ou de arroz, pra tirar o glúten) e os temperos que você curte – usei sal, pimenta calabresa e cheiro verde.  Não tem nem mistério – é só misturar tudo e formar a massa. Com ela, você molda os bolinhos, passa pelo fubá (ou farinha de rosca) e leva ao forno até dourar. O resultado são bolinhos crocantes por fora e macios por dentro. Com essa quantidade de ingredientes fiz 10 bolinhos.

bolinho_peixe_assado1

Baba, né? E ó, pode trocar a batata por mandioquinha, batata doce… fica delícia também.

Para acompanhar fiz um molhinho de missô, assim ó…

Misture com um batedor 1 colher (sopa) de missô, 1 colher (sopa) de mel, 1 colher (sopa) de shoyu e suco de 1/2 limão. Fica bacana pra temperar salada também.

Atum com crosta de quinoa

Tá calor aí? Aqui a primavera tá bombando – calor e secura digna de deserto. Já estou me preparando para um lonnnngo verão (espero que com muita chuva!).

Calor é aquela coisa né? A gente não fica muito afins de comidona, molhos e quetais. Pelo menos eu sou assim. Daí apelo para pratos fresquinhos, como esse atum com crostinha de quinoa que fica delicioso e é baba de fazer, olha só.

A primeira coisa é cozinhar a quinoa (tem que deixar de molho antes, pra não ficar amarga). Essa é uma quinoa selvagem que eu trouxe do Peru e ela amarga bem se não ficar de molho, por isso deixei umas duas horas na água. Depois, é só cozinhar em água com sal até ficar macia, escorrer em água corrente e começar a temperar para fazer a crosta do atum.

Numa tigelinha misturei a quinoa, linhaça, gergelim preto e amêndoa picada (olha a foto lá embaixo). Temperei com uma pitada de açafrão, sal e pimenta do reino e reservei.

O atum temperei com sal e pimenta. Depois, foi só passá-lo pela crosta reservada, apertando bem. Numa frigideira bem quente com um fio de azeite basta selar o atum por toda a crosta, até dourar e o peixe começar a mudar de cor, de fora pra dentro, virando com uma pinça e com cuidado para não desfazer a crosta. Se preferir, pincele o atum com um ovo batido antes de passá-lo pela crosta – isso ajuda a grudá-la no peixe.

Depois que o atum já está com as pontas branquinhas, a crosta dourada e o centro ainda rosado, está pronto. Deixe descansar um pouco e depois, com uma faca bem afiada, corte em fatias.

Para acompanhar fui de saladinha resfrescante com repolho, cenoura, gengibre e coentro, temperada com sal, bastante limão e azeite. Por cima de tudo, shoyu sucrée.

Fácil né? Se quiser trocar o peixe também pode, ok? Tilápia, pescada e até salmão também ficam bacana com essa crostinha.

E que venha o verão! :)

crosta de quinoa

Trucão de Natal #1 – Barquete de bacalhau

Truque para a ceia de Natal

Se você tem mais de 30 anos com certeza já bateu o olho na foto da minha ceia de pré Natal e reconheceu as famosas barquetes, certo?

Pois é, elas vem que vem com tudo e são um coringa fantástico na hora de receber muita gente e ter que garantir um belisquete antes do almoço/jantar. Eu comprei um pacote da versão assada, que vem com 40 unidades.

Para o recheio você pode apostar na clássica salada de maionese, mas gente… vamos inovar? Tudo que você imaginar vai em cima da barquete e dá show. Aqui eu ataquei de bacalhau, fácil ó…

Cozinhei mais ou menos 1/2 kg de batata com um pouquinho de sal, espremi e fiz um purê. Voltei para a panela e juntei 1/2 kg de bacalhau desfiadinho (já dessalgado) e comecei a temperar: pimenta calabresa, pimentão vermelho e verde em cubinhos bem pequenos, muito cheiro verde, azeite extra virgem em quantidade generosa e azeitona verde bem picadinha. É só misturar tudo, deixar cozinhar ligeiramente até o pimentão ficar mais macio e colocar na barquete. Eu não falei que era fácil demais?

Agora pensa o tanto de variações que isso permite? Já fiz com camarões (temperadinhos em uma vinagrete mais sequinha), siri desfiado, salmão defumado, mix de cogumelos puxados na manteiga, berinjela, ricota com espinafre e nozes… como eu disse, dá pra viajar horrores com as bichinhas.

A dica é deixar para rechear as barquetes somente na hora de servir e usar um recheio não muito líquido, que é para ela não molhar demais e quebrar. Você pode encontrar as caixinhas de barquetes em atacados de doces e lojas especializadas e aqui em São Paulo tem também no Pão de Açucar, nada que um Google não resolva :)

Papillote de peixe ao mediterrâneo

Recentemente fiz uma aula detox com as chefs Juliana e Andréa, do Gastronomia Dentro e Fora de Casa, e uma das receitas foi esse papillote de peixe que ficou sensacional, super leve e muito saboroso. Se você está procurando uma receita cheia de sabor e complicação zero, aqui está.

Tempere 4 filés do peixe de sua preferência com sal e pimenta e reserve. Pescada, linguado e St Peter são opções perfeitas.

em uma frigideira refogue 02 talos de alho poró fatiados em uma colher de azeite. Tempere com sal e reserve.

Em uma tigela misture 4 tomates sem pele (1 para cada filé) e sem sementes picados em cubinhos, 4 colheres de azeitonas pretas picadas (1 para cada filé), 2 abobrinhas picadas em cubinhos pequenos (só a parte da casca), 1/2 pedaço de gengibre ralado e 1 pimenta dedo de moça sem semente bem picadinha. Misture tudo como se fosse fazer um vinagrete e junte o alho poró previamente refogado. Tempere com sal e ervas frescas.

Corte o papel manteiga de tamanho suficiente para fazer um “envelope” com o peixe. Disponha um pouco do vinagrete no papel (sem muito líquido) e coloque o filé de peixe por cima. Cubra com mais um pouco do vinagrete e regue com um pouquinho de azeite.

Agora é só fechar bem o papel manteiga, formando um pacotinho, sem apertar, deixando um espaço para o vapor que vai se formar lá dentro cozinhar o peixe.

Acomode os pacotinhos em um pirex ou assadeira e leve ao forno preaquecido 180 a 200C por 15 ou 20 minutos.

Fácil, né? Se você vai receber amigos ou a família os papillotes são uma ótima opção. Deixe o vinagrete pronto (sem temperar) e na hora de servir é só montar os envelopinhos e levar ao forno. Mais fácil, impossível.

Jambalaya

jambalaya
Parece uma paella, mas na verdade é um prato da cozinha cajun-creole, típica de New Orleans nos EUA. Prato único super bacana para servir em uma reunião de amigos ou em um almoço em família, Jambalaya é um arroz bem temperado que leva frango, linguiça e camarão, tudo junto. Parece confuso, eu sei, mas te garanto que vira um prato incrivelmente saboroso e que vai fazer sucesso na sua cozinha.

Obviamente eu faço o prato sem medida e também sem muita fidelidade ao original (shame on you, Fabiana!), mas vou (tentar) passar uma base para uma quantidade como essa, que serve 8 pessoas, ok?

O primeiro passo é temperar o frango. Usei peito e cerca de 1kg, mas eu recomendo que você use sobrecoxa desossada sem pele, que fica mais saboroso. Tempere o frango com sal e pimenta calabresa e reserve.

Aqueça a panela (usei uma paellera) com um pouco de óleo e junte 2 gomos de linguiça calabresa defumada cortada em rodelas. Frite até que a linguiça comece a dourar. Então, acrescente o frango cortado em cubos grandes. Agora deixe que que linguiça e frango fiquem douradinhos e então junte 1 cebola picada e uns 5 ou 6 dentes de alho amassados. Doure mais um pouco e junte 1 pimentão vermelho em cubinhos e uma pasta de tempero feita da seguinte forma: no mixer (ou liquidificador) bata 1 xícara de talos de salsão picado, 2 pimentas dedo de moça (sem semente) e tempere com sal, páprica picante, cominho, um tiquinho de canela e pimenta cayena. A ideia é fazer uma espécie de pasta, que você deve juntar à panela.

Feito isso, adicione 1 lata de tomate pelado, 3 folhas de louro, ramos de tomilho e mexa bem para que os tomates se despedacem. Agora, acrescente 2 1/2 xícaras de arroz agulhinha. Mexa, incorpore tudo e coloque mais ou menos 1 litro de caldo de galinha. Mexa, acerte o sal e deixe cozinhar até que o arroz esteja macio, mas ainda al dente. Nesse ponto, acrescente 1 kg de camarão sem casca, limpo (que você já tinha temperado com sal e pimenta). Mexa o arroz para incorporar o camarão, cozinhe por mais 3 minutos somente, desligue o fogo e abafe com papel alumínio por uns 5 minutos.

Na hora de servir, acrescente à panela ramos de tomilho fresco, milho verde cozido e cortado em pedaços pequenos e regue a panela com azeite. Sirva quentinho e com um bom molho de pimenta à parte.

É fácil, não é? Faça e depois me conte se não foi sucesso ;)

* a foto não faz jus ao prato, mas com doze comensais famintos prontos para atacar, uma fotinho rápida no celular foi tudo que me restou (e quase não deu tempo nem pra isso!).

Lula ao vinagrete


Eu amo lula de um tanto que, aff… só não como com tanta frequência por causa da dificuldade de encontrá-las fresquinhas, limpinhas e baratinhas (oi, sou Alice?).

Mas, como quem tem amigo tem tudo, essas a minha doce amiga Fabi trouxe do Guarujá especialmente pra mim – e já chegaram fofíssimas, prontas para ir pra panela.

No caso, o “ir para a panela” aqui é jogo rapidíssimo. Basta ferver água, colocar as lulas cortadas em anéis e contar 3 minutos. Pronto! Desliga o fogo, escorre a lula e voilà! Nada de deixar a lula cozinhando ad eternum porque senão você vai ter que comer borracha ao vinagrete, combinado?

Depois de cozida, é só providenciar um bom tempero – eu usei pimentão vermelho em cubinhos, salsinha, cebolinha e manjericão e finalizei com sal, pimenta, limão e azeite extra virgem, tudo na quantidade que lhe apetecer. E também dá pra colocar cubinhos de tomate sem semente, cebola picadinha, coentro…

Assim, eu acho que lula é amor. O molusco, biensur ;)

Moqueca de bacalhau


Moqueca é puro amor, né gente? Aquela comidinha quentinha, molhadinha, gostosinha, apimentadinha….afff, tudo de bom. E como eu tinha ganhado uma panela escândalo vinda lá do ES e ainda não tinha tido chance de usá-la (em grande estilo como ela merece), achei que era hora de me lambuzar numa moqueca porreta – uma coisa assim meio baiana, meio capixaba, meio portuguesa, meio eu, meio você, meio o mar e aquela coisa toda… rs.

Daí que veio a Páscoa e… pimba! a gênia aqui pensou: moqueca de bacalhau! E assim foi. E ó, foi lindo, foi gostoso, foi quentinho e foi … pecaminoso. Sim, apesar de ser Páscoa, o pecado foi enorme – em quatro pessoas comemos essa panela TODINHA de moqueca! Gula, eu sei. Mas ó, tava uma perdição e por isso sei que vocês hão de aliviar a minha culpa (hein? hein? hein?).

Entonces, vem comigo que vou te mostrar o caminho das pedras para preparar essa delícia aí no seu fogão e, quem sabe, dividir essa culpa toda comigo também (ahn? ahn? ahn?)…

Você precisa de: bacalhau (dã!), cebola, alho, pimentão verde e vermelho, tomate vermelhinho (tá, parei de usar diminutivo, prometo), azeite (de oliva e de dendê), leite de coco, palmito, purê de tomate, pimenta dedo de moça, louro, coentro e sal.

Primeira coisa, dessalgar o bacalhau na véspera, né? Faz isso, separa umas postas bem bonitonas e umas duas xícaras da última água e reserva.

Lá na panela escândalo (não tem uma? tá, libero numa panela normal, mas não sem comprometer o glam, ok?) coloca o azeite de oliva e doura muito alho. Depois, junta a cebola e esperar ela murchar. Agora é hora de juntar os pimentões em rodelas, o tomate e as folhas de louro e deixar tudo cozinhando de leve, que é para o tomate formar um rico caldinho e o pimentão amaciar.

Quando você sentir que o pimentão tá começando a ficar macio (não é pra deixar o pimentão desmanchar, prestenção!), traz aquelas postas lindonas de bacalhau e coloque-as espalhadas pela panela. Junte o purê de tomate, aquela água que você reservou, as pimentas picadinhas (fica à vontade na quantidade, mete bronca!) e deixa tudo cozinhar lindamente. Quando o bacalhau estiver macio (é jogo rápido, viu? tipo dez minutinhos), é hora de juntar o leite de coco (capricha!), o palmito cortado em rodelas grandonas e acertar o sal e a pimenta, se for necessário. Ferve mais um pouco, dá uma verificada se tá tudo no ponto, acrescenta o azeite de dendê na quantidade que lhe apetecer (nesse caso, vá com calma!) e as folhas de coentro. Desliga o fogo e seja feliz, feliz demais saboreando essa gostosura.

Acompanhe com arroz branco ou arroz de jasmim, pra dar uma alegria maior ainda :)

***

Vocês sabem que não sou boa com quantidades né? Mas, ok, vá lá… para uma panela desse tamanho, que serve umas 6 ou 7 pessoas (normais), usei mais ou menos 1 1/2 kg de bacalhau, alho muito (sei lá gente, capricha no alho!), 2 cebolas grandes, 3 pimentões, 6 tomates, 3 folhas de louro, 1/2 maço de coentro, 1 vidro de leite de coco, umas 3 colheres de purê de tomate e umas duas ou três pimentas…. acho que é isso. O dendê foi um tanto no olho e, no final, espremi metade de um limão, pra dar aquela levantada no astral.

***

Por uma feliz coincidência do destino, minha amiga querida e xará do Figos & Funghis, também se jogou numa moqueca de bacalhau com camarões que, afff… ficou de babar!
Aproveita que você está no mood bacalhau e vai lá ver a versão luxo, poder e glória da Fabi, vai :)

Fabi, minha flor, olha a gente mostrando pra geral que existe amizade e camaradagem no mondo blog, néam? Tapa na cara da blogueirági marota. Ado.o.o.o.r.o! :)))))))

[#receitasligeiras] Cação ao molho

Seguinte, não vou nem me atrever a chamar isso de moqueca porque a patrulha anda solta na internet e não demoraria para alguém aparecer dizenho “nhé, isso daí não é moqueca“.

Pois é, não é. É um peixe feito na panela comum (se fosse pra ser moqueca teria que ser na panela de barro, diriam os puristas), em um molhinho saboroso e muito, muito simples de fazer. Tão simples, que nem vou chamar de receita, tá? Vou jogar aqui só o modus operandi, olha só.

Temperei as postas de cação com alho, sal e limão. Na panela dourei alho no azeite e coloquei uma camada de cebola em rodelas, pimentão verde e tomate, também em rodelas. Coloquei as postas de peixe por cima, acrescentei louro, leite de coco, coentro, pimenta calabresa, um pouquinho mais de azeite, tampei a panela e contei 10 minutos depois que começou a ferver.

É isso. Dois palitos :)


(ó o bicho na panela, direto do Instagrammmmmm) 

Bolinho assado de siri


(foto: Ingrid Calderoni)

Era dia de envasar mais uma cerveja das Maltemoiselles e, por consequência, era mais um dia de muitas risadas e comilança. Apesar de estarmos nos despedindo de uma confreira, que segue vida nova nazoropa, brindamos muito e comemoramos o sucesso da golden ale (ainda sem um nome oficial). E assim foi.

Para petiscar providenciei esses bolinhos de siri, do livro Canapés. Por serem assados, são super levinhos e acompanham um molhinho simples e bem gostoso, que orna muito com o siri. Coisa rápida, sem sujar panela, dá uma olhada…

Para uns 50 bolinhos…

Em uma tigela misture 500gr de carne de siri, 1 cebola picada, 1 colher de chá de melaço (ou mel), 1 colher chá de mostarda dijon, 1 colher chá de Tabasco, 2 colheres chá de molho inglês, 1 colher sopa de molho Horseradish (de rabanete, que você encontra na seção de importados so supermercado ou no Santa Luzia), suco de meio limão, 3 colheres sopa de maionese.

A ideia é fazer uma massa, como a da foto, que aos poucos você vai dar liga com farinha de rosca… umas 5 ou 6 colheres mais ou menos. Acerte o sal e a pimenta e quando a massa estiver boa pra manusear e fazer bolinhos, está no ponto.

Depois, é só passá-los pela farinha de rosca, levar à geladeira por uns 30 minutos e depois ao forno pré-aquecido a 200ºC numa assadeira untada até eles ficarem…

… assim ó :) – leva uns 15 minutinhos.

Gente, é bolinho feito no forno, então… ele vai assar assim mesmo, sem ficar muito por igual. Não se estresse com isso – ele fica crocante do mesmo jeito e delicioso, sem necessidade de assar demais. Agora, se você fizer questão de fritar, faça-o por imersão, ok?

Aqui, o resultado final (!!!!!) Bolinho crocante por fora e macio por dentro… praticamente só siri e o tempero – sem ovo, sem muita farinha e sem complicação.

Para servir, a sugestão é esse molhinho de mostarda dijon

Misture 4 colheres de sopa de maionese, suco de meio limão, 1 colher sopa bem cheia de mostarda dijon (ou mais, se você curtir mais picante), sal, pimenta do reino e cebolinha picada. É só misturar bem e servir sob os bolinhos e finalizar com tomate sem semente picadinho, ou serví-lo à parte.

Sucesso, viu? Sirva com espumante geladinho em ocasiões festivas – ou não. Afinal, todo dia deveria ser uma festa, né? ;)