Panqueca de espinafre e ricota

Eu adoro panqueca. Além de ter um apelo afetivo – panqueca era um daqueles pratos “comemorativos” sabe? lá em casa, quando tinha panqueca era um dia de festa pra mim – é uma receita prática demais, que permite mil variações de recheios salgados e doces. Isso sem contar a apresentação, que pode ser de muitas maneiras diferentes, indo desde o clássico “rolinho” do dia-a-dia, até ganhar ares um pouco mais elaborados, como envelopinhos (o que eu mais uso) que são perfeitos para servir naquele jantar, no estilo crepe, que fica ótimo quando servido em esquema buffet, ou mesmo essas que apareceram na minha cozinha hoje – as trouxinhas.
Como a idéia era preparar algo um pouco mais leve para compensar a orgia gastronômica do período momesco, o recheio escolhido foi espinafre com ricota.

Preparando o recheio
Primeiro é aquele esquema que (é de conhecimento público) eu odeio – lavar o espinafre, separar os talos (guarde para fazer bolinhos) e rasgar as folhas.
Em uma panela, azeite, cebola e alho até dourar. Nesse momento, é só juntar o espinafre, temperar com sal e pimenta e abafar um pouco a panela. Espinafre não precisa cozinharrrr – no momento em que junta aquela água toda pode tirar do fogo, esperar esfriar um pouco e espremer para tirar toda a água.
Depois de feito isso, é hora de juntar ricota, noz moscada, salsinha e misturar bem até a ricota incorporar-se ao espinafre. Eu usei também um pouco de requeijão cremoso light, mas isso é opcional.
Depois de tudo misturado, basta acertar o sal e reservar o recheio, que já está pronto.

Fazendo a massa da panqueca
Eu não uso medida nenhuma para fazer panquecas, apenas bato no liquidificador leite, ovos, farinha de trigo, maizena e sal, tudo no olhômetro mesmo, pois já conheço a consistência certa para obter uma massa nem grossa (anote aí: odeio panqueca grossa) nem fina demais. Mas, como eu sou uma boa pessoa, fui buscar uma receita no meu caderninho: 2 copos de leite, 2 xícaras de farinha de trigo, 1 colher (chá) de maizena (ou fermento em pó), 1 colher chá de sal e 2 ovos.
Como eu gosto de “dar uma corzinha”, acrescentei uma colher de café de açafrão à massa para que ela ficasse mais amarelinha.

Para fritar a massa
Frigideira anti-aderente bem quente com um fio de azeite, joga uma concha (eu uso direto o bico do copo do liquidificador) da massa e vai espalhando, virando a frigideira, de modo que ela fique em uma fina camada. Quando é possível começar a soltar as bordas, com o auxílio de uma escumadeira por exemplo, é a hora de virar. Caso você não tenha a habilidade de virá-la no ar, pode recorrer à escumadeira, soltando delicadamente até o meio da massa, para daí então virá-la e fritar o outro lado.

Para amarrar as trouxinhas eu usei nirá passada em água quente (isso amolece e permite que você dê o nó) mas dá para usar cebolinha também, passada na água fervente do mesmo modo.

O molho
Eu usei o clássico – tomate sem pele e sem semente com manjericão – mas o molho branco ou quatro queijos também fica muito bom com panquecas.
Para o molho – alho bem dourado no azeite, junta o tomate cortado em cubos, um pouco de açucar, sal e deixa apurar. No final, junte folhas de manjericão fresco.

Forre o fundo de um refratário com o molho, disponha as trouxinhas, salpique parmesão e leve ao forno até o momento de servir.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

2 Comments
  • JACQUELINE
    junho 18, 2015

    OLÁ FABY, TUDO BEM?
    ADOREI A RECEITA DAS TROUXINHAS….
    SÓ UMA DÚVIDA, POSSO FAZÊ-LAS DE VÉSPERA?

    AGUARDO SEU CONTATO!
    OBRIGADA

    • Faby
      junho 22, 2015

      Oi Jacqueline, pode sim.

      Bjo!

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*