Creme de manga com hortelã e coulis de framboesa

Creme de manga
Se você procurava uma receita leve, refrescante, facílima e deliciosa para a ceia de Natal, achou! Esse creme de manga que aprendi com as meninas do GDFC atende todos esses requisitos e ainda é uma opção bem saudável para quem não quer enfiar os dois pés na jaca nas Festas. Ah! E também cai super bem em uma dieta detox. Ou seja, escolha certeira!

A preparação é tão simples que não dá nem pra dizer que seja uma receita. A conta é simples – 1 manga (Palmer ou Haden) para cada duas pessoas.
Tudo que você tem a fazer é descascar a manga, cortar e levar ao liquidificador com folhas de hortelã (quantidade a seu gosto). Bater e colocar em uma travessa ou tacinhas individuais e levar para gelar.

A graça extra fica por conta do coulis de cobertura. Coulis nada mais é do que um purê de frutas e fica perfeito em sobremesas levinhas.
São 5 colheres da fruta fresca (no caso, framboesa, mas pode ser morango, amora…) que vão para a panela e cozinham até virar uma calda. Eu usei polpa de framboesa – uma polpa serve 4 tacinhas. Quando o coulis estiver frio, é só colocar uma camada por cima do creme e voilà!

Eu não falei que era muuuuuito fácil? ;)

E aí, todo mundo no ritmo ragatanga natalino já? Aqui já teve até ceia! E ainda é dia 16! \o/

Falsa moqueca funcional

Ainda naquela toada de alimentação mais saudável, reeducação e tudo mais, olha que preciosidade a colaboração da minha amiga Amanda Wanderley, nutricionista fofééééérrima e garota-carioca-suingue-sangue-bom, que mandou essa receita loosho (com tabela nutricional e tudo!) para os leitores do Pimenta. Dá um look que receita delícia – e muito leve e funcional! Diz, Amanda…

A preparação tem por objetivo oferecer alimentos com vários benefícios que, além do valor nutritivo inerente à sua composição química, podem desempenhar um papel potencialmente favorável no controle e redução do risco de doenças cardiovasculares por apresentarem propriedades relacionadas à atividade antiinflamatória, anticoagulante, vasodilatadora e antiagregante e atuarem na redução da concentração do colesterol sanguíneo e de triglicerídeos.
Além disso, possui nutrientes que atuam como antioxidantes, combatendo o envelhecimento das células e os radicais livres, e apresenta alto teor de fibra alimentar, que tem sido relacionada a efeitos benéficos, como modulação da microflora intestinal, redução do risco de câncer de cólon, prevenção à obesidade e ao Diabetes Mellitus tipo II e alívio à constipação.

A Amanda chamou a receita de Falsa Moqueca Funcional – porque não tem dendê, leite de coco, camarão e nem pirão pra acompanhar e, além disso, não foi feita na panela de barro!

Daí você já torce o narizinho achando que “nhé! então não deve ser gostoso”. Bobagem! A moqueca falsa da Amanda leva truta, purê de batata baroa e biomassa de banana verde, farofa de clorofila e aspargos grelhados. Fala, tem alguma chance de não ser delicioso? Então, vem comigo e veja passo-a-passo como preparar esse prato escândalo.

PREPARAÇÃO: Falsa Moqueca Funcional
Número de porções: 02

1. Dispor o molho de moqueca no prato;
2. Acrescentar os 2 rolos de filé de truta em cima do molho;
3. Adiconar o purê de batata e biomassa no lado oposto do prato;
4. Colocar os aspargos grelhados no centro;
5. Finalizar com a farofa de clorofila e o óleo de coco por cima da truta.
6. Decorar com 2 fatias de limão.

Papilotte de Truta


1. Dividir o filé de peixe em 2;
2. Temperar os filés com pimenta do reino, sal, tomilho e azeite;
3. Enrolar os filé de peixe;
4. Dispor os rolos de peixe em uma folha de papel aluminío e fechar bem;
5. Assar em forno pré aquecido por 15 min a 250°C.

Purê de Batata Baroa e Biomassa de banana verde

1. Cozinha a banana verde com casca na panela de pressão por 15 minutos;
2. Cozinhar a batata baroa no vapor;
3. Processar a banana verde e a batata baroa até obter uma massa homogênea;
4. Adicionar sal caso necessário.

Molho da moqueca

1. Refogar a cebola no óleo de coco;
2. Acrescentar o tomate, a pimenta dedo de moça cortados em brunoise e a folha de louro;
3. Adicionar o leite e a maisena;
4. Acrescentar o sal e açafrão.

 

Farofa de clorofila

1. Refogar o alho no azeite;
2. Adicionar a farinha de mandioca e a linhaça triturada;
3. Deixar dourar;
4. Triturar o coentro e a farinha.

 

Aspargos grelhados

1. Refogar os aspargos no azeite;
2. Acrescentar gotas de limão ao final.

***

Já pro fogão, comadre! :)

Amanda, muito obrigada por essa participação linda por aqui, viu? pode mandar quantas receitinhas quiser que eu vou a.d.o.r.a.r!
Beijo!

***

Crédito receita e imagens: Amanda Wanderley

Frango com tofu ao molho de mostarda e iogurte

Falei no outro post sobre o lance da dieta e talecousa, né? Pois então, a coisa tá rolando com disciplina aqui em casa e isso tem me feito pensar em várias coisas, inclusive em mudar o foco do blog.

Meu marido tem sofrido há algum tempo com o efeito sanfona – engorda, emagrece, engorda de novo e por aí vai. É difícil para ele manter uma dieta e o próprio metabolismo não é exatamente um aliado em sua luta, daí a necessidade de vigilância constante e, consequentemente, de um rumo cada dia mais leve para as refeições na minha casa.

É certo que nunca fui de comidas muito gordas, com exceção é claro dos momentos de esbórnia (e continuo achando-os essenciais), mas ultimamente meu foco tem sido mesmo uma alimentação sem muitos excessos e uma tentativa (ainda sofrida, é verdade) de diminuir os carboidratos e alguns vícios da vida toda, como o refrigerante por exemplo.

Então, por conta de tudo isso e mais um monte de outras coisinhas que são da vida da gente mesmo, tem rolado uma série de questionamentos, principalmente na questão mais primordial de todas: a dificuldade de criar receitas atraentes quando se tem muitas restrições na dieta. Foi daí, e de um texto que escrevi hoej no Facebook que me veio esse lance de mudar o foco do blog – coisa que eu ainda não fechei direito na cabeça, mas juro que tô quase.

Ok… muita lenga lenga e a receita que é bom, nada até agora né? Então, vem comigo e dá uma olhada como foi simples simples preparar esse prato delícia, com proteínas e muito leve.

O primeiro passo foi temperar o filé de frango com uma misturinha que garante sabor: coentro em grãos, cúrcuma e semente de mostarda, tudo passado pelo pilão. Junta essa mistura ao frango, acrescenta um pouco de sal e pimenta calabresa e leva para a panela com um fiozinho de azeite até dourar bem. Depois, é só juntar alho picadinho e cebola (eu uso muito, mas você usa o quanto gosta) e deixar dourar também. Nessa etapa, pode ser necessário acrescentar um pouquinho de água (use a fervente) para deixar que o frango absorva bem os temperos utilizados e que ficaram “pregados” no fundinho da panela. O segredo é deixar o frango dourado, lindo de viver.

O próximo passo é muito simples – em uma tigelinha é só misturar o iogurte desnatado com a mostarda (usei uma ancienne com ervas de provence) e reservar.

Agora que seu frango já dourou, é só desligar o fogo e juntar o tofu em cubos, a mistura de iogurte e mostarda, mexer bem e servir.

Para dar um glam, finalizei com sal negro e uma folhinhas de manjericão, porque um verdinho é sempre importante. Você pode se jogar no cheiro verde picadinho, no coentro, só na salsinha ou na erva de sua preferência para essa finalização e vai ficar lindo e saboroso também.

Pronto! Prato  rápido, prático e saboroso – e nem parece de dieta!


(desapegue do creme de leite, comadre!!! mostarda + iogurte = uma dupla que vai super bem em qualquer prato: na salada, com aves, carne e até peixe, e é muito mais leve).