Receitas sopas, caldos & cremes

Caldinho de feijão

No início dos anos 90 eu conheci uma garota chamada Gorete. Na época, nós duas éramos solteiras, independentes, morávamos sozinhas e tínhamos, por assim dizer, o espírito …livre. Com essas características nós duas acabamos por nos tornar amigas e, juntas, fazíamos o que duas garotas de 20 anos, livres e financeiramente independentes fazem numa cidade como São Paulo – se divertem. No nosso caso, se divertem muito.

Em nossas noitadas e farras eu acabei descobrindo a felicidade que podia existir em um (ou dois, ou três, ou…) copo de whisky bom e foi então que eu conheci a pior de todas as inimigas que um ser humano pode ter: a ressaca. E olhe que estou falando de ressaca de whisky bom hein?! Nem vamos entrar no mérito de ressacas de bebidas vagabundas… porque essas coisas a gente risca do passado, não é mesmo?

Pois bem, foi Gorete quem me ensinou qual é a maior arma de todas para curar a ressaca – a comida. Muita comida e, como ela própria fazia questão de pregar, comida com “sustância”, muita sustância.
Essa era sua teoria, fundamentada depois de muitas e muitas experiências etílicas – para aplacar a sensação horrorosa que nos consome no day after, nada melhor do que comer muito e comer bem que é para, segundo ela, o corpo recuperar as forças(!)
E foi a partir dessa filosofia incontestável que eu descobri, por exemplo, que um prato de feijoada tem efeito curativo sobre o banzo pós-alcoólico, assim como muitas outras comidinhas que minha amiga Gorete preparava no dia que se seguia depois de festas memoráveis. Coisas levinhas como cozidos imensos, feijão preto com muita carne, caldo de mocotó e outras iguarias do gênero.
Era impossível passar ilesa pela cozinha de Gorete, paraibana arretada, dona de segredos, temperos que até hoje eu nunca soube quais eram, uma mão de fada para cozinhar e uma risada fácil, calorosa e acolhedora. Assim era Gorete.

Infelizmente a vida, em dado momento, acabou por nos colocar em caminhos diferentes e nesses caminhos a gente se perdeu uma da outra. Hoje eu não sei por onde andam fumegando as panelas da minha doce amiga mas hoje, enquanto eu preparava esse caldinho de feijão com a finalidade de curar uma mega ressaca, foi dela que me lembrei com muita, muita saudade.

Estivesse ela comigo, com certeza teria dito que o caldo precisaria de mais carne, de mais sustância. Um caldinho de feijão da Gorete era praticamente uma feijoada!
Porém, na condição de arremedo de ser humano em que me encontro hoje, tudo que eu pude produzir foi esse caldo de feijão preto que, mesmo não tendo toda a sustância recomendada por minha amiga, operou milagres nessa que vos escreve.

***

Fazer caldinho é tão fácil que mesmo estando um trapo (presente!) é possível dar conta do feitio…

Numa panela tem que dourar (tudo muito) cebola, alho, bacon e linguiça (eu usei a Josefina), botar uma folha de louro, pimenta vermelha picada e juntar o feijão que já foi cozido e batido no liquidificador com um pouco do caldo. Daí, é só deixar apurar até ficar beeeem grosso.

Na hora de tomar, vai por cima bastante coentro picado, mais pimenta e bacon douradinho.

***

Go, por onde anda você, minha amiga?

***

Agora alguém pode, purfa, desligar a Terra que não para de girar?!
Agradecida.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Você Pode Gostar Também

Sem Comentários

    Deixe uma Resposta

    *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.