delírios e outros bichos

As festas das revistas

Elas são sempre lindas, iluminadas na medida certa, todos os elementos se harmonizam (inclusive os improváveis, como as misturas de padronagens e de cores que se tem como “incombináveis”). As toalhas são impecáveis, os talheres são brilhantes, os copos então…. pffff, reluzentes! Se tem grama,  ela é verdinha, aparada… se a festa é interna, as paredes tem pinturas novinhas, janelas com paisagens incríveis ou cortinhas que querem parecer displicentemente desarrumadas (mas que devem ter custado horas da diretora de arte). As cadeiras, mesmo sendo completamente diferentes umas das outras, casam-se perfeitamente. A mesa tem o tamanho certo, a louça é linda, a comida… bem, você já viu comida de revista que seja feia?

As festas de revista parecem mágica pura. De tão lindas, você tem vontade de fechar os olhos e estar lá – uma taça de champagne nas mãos, um vestido em tom de nude todo fluído, um cabelo com cachos cuidadosamente desarranjados e sapatilhas de princesa. Ou, sei lá, a festa tem uma pegada mais hardcore (mas ainda assim linda, biensur) e você se vê logo toda trabalhada no batonzão vermelho, fazendo caras e bocas à meia luz, com um drink nas mãos curtindo um jazz ao lado das pessoas tão lindas quanto você, que com certeza estarão nessa festa.

Em festa de revista as pessoas sempre são lindas, sempre estão mostrando os dentes, sempre estão impecáveis – oras, é uma festa afinal! Isso quando a festa tem pessoas, claro. Porque em fotos de ambientação muitas vezes o elemento é humano é completamente dispensável. O que importa é a disposição milimétrica dos elementos à mesa, os cupcakes perfeitos e tinindo de bonitos, o finger food intacto, a champagne perfeitamente encaixada no gelo e as flores tão vivas que mal se lembra que elas não nasceram naquele vaso de cristal.

Daí você se transporta para aquele mundo mágico e começa a se coçar para dar uma festa também. Bom… você não tem aquele jardim tão lindo mas, afinal, quem tem um quintal ou uma varanda já pode acreditar em uma festa externa (ou ao ar livre, pra ficar mais glam). Talvez você precise de mais cadeiras, mas isso se pode arranjar com as boas e velhas cadeiras de PVC brancas, ou improvisar com os pufes da sala. E você reza para que haja tempo de fazer umas capas para as cadeiras ou arranjar umas almofadas lindas e coloridas, como as da revista, claro. Daí você checa a louça e se joga com força no conceito de que tudo-junto-misturado é que é bacana (na revista estava assim!) e acha que está tudo sob controle. Os talheres, tirando aqueles com cabo azul de plástico, até que dão para o gasto… talvez quem sabe se você conseguir separar um tempinho para passá-los pelo limpador de alumínio e uma boa lustrada… Tem a toalha também. A sua é bonita, talvez não com aquela padronagem escândalo da festa da revista… talvez uma pequena manchinha aqui e ali, coisa quase imperceptível, claro. E os guardanapos de pano?! Ah, tem que ter guardanapo de pano (que no dia seguinte você vai se esfalfar para tirar as manchas de vinho e batom, claro) e eles tem que estar em perfeita harmonia com as toalhas e com a louça, ainda que eles sejam completamente diferentes.

Ok, você separa tudo e dá uma olhada pra ver se todos os elementos parecem feitos um para o outro. É… veja bem, tirando uma coisinha aqui ou outra alí, você consegue sim enxergar a tão sonhada harmonia (é ela que vai fazer sua festa ter aquela aura de festa de revista). Então, você parte para o cardápio.

Primeiro as bebidas – nas revistas não há garrafas de plástico de refrigerantes na mesa e, se houver, elas serão de vidro ou estarão completamente inseridas no conceito pop-art-moderna. Tá, então você lima aquela coca de 2 litros da sua festa e investe com força nas jarras de água aromatizada, muito mais lindas e condizentes com sua recepção. Obviamente você vai querer um balde/vaso/ou coisa que o valha com espumante e lá também você colocará a cerveja (já reparou que em festa de revista 4 ou 5 garrafinhas de cerveja gelando são super suficientes?). Bebidas resolvidas.

A comida logicamente vai ser linda, escandalosamente linda. Você sai a procura de receitas lindas, mas que ao mesmo tempo sejam fáceis, práticas, viáveis, baratas… É, vai ser uma tarefa complicadíssima, já que você pretende fazer tudo sozinha e em um espaço curtíssimo de tempo. Caso você consiga montar o cardápio com esses requisitos (praticamente um milagre, vamos combinar), você estará a dois passos de ter a tão sonhada festa de revista em sua própria casa.

O resto é mandar e-mail para os amigos, fazer as compras no supermercado, montar as travessas lindas e perfeitas, colocar a música ideal, providenciar o gelo, as flores, a iluminação certa … passar a toalha antes de colocar na mesa (quem há de querer vinco na mesa impecável?), dispôr tudo lindamente na mesa, finalizar os pratos de modo que eles fiquem estrondosamente apetitosos, dar uma borrifada de aromatizador de ambiente, acender as velas e aguardar linda e loura a chegada dos seus convidados.

Ufa! Foi uma maratona, mas tudo há de valer a pena quando você, um pouco antes dos convidados chegarem, se jogar (morta) no sofá e ver que conseguiu reproduzir a festa de revista que sonhava. Agora é só curtir – se você tiver forças, claro.

Por outro lado, você pode só chamar os amigos (que trarão as cervejas de latinha e o gelo para o cooler), pode deixar todo mundo na cozinha enquanto você prepara os belisquetes e suas amigas te ajudam a arrumar a mesa – com guardanapo de papel e louça básica do dia-a-dia – e dar uma providência na loucinha da pia. A essa altura alguém já colocou uma música (que nem sempre é a ideal) e as cadeiras de plástico brancas já estão no quintal, na rodinha do povo fumante (que também já providenciou um cantinho para ir colocando as latinhas recicláveis). Flor pode ser que não tenha…  mas você compensou isso caprichando na comida – e é só disso que o povo vai lembrar no dia seguinte, acredite.

É… O mundo perfeito dos editoriais pode ser perfeito lá, com uma equipe de 17 profissionais envolvidos. Só que aqui no mundo real, festa boa, mas boa mesmo, é aquela em que você não se mata de trabalhar, todo mundo se diverte, come bem, relaxa, ri muito e aproveita o tempo juntos (coisa tão rara em um mundo tão acelerado). Festa boa não é aquela em que tudo é impecável. Aliás, eu não sei vocês, mas eu ando achando o impecável absolutamente chato. Festa boa é aquela em que todo mundo se envolve, participa e não fica apenas fazendo pose com cara de paisagem. Festa boa é aquela em que talvez até algo dê errado (e é disso que você e seus amigos rirão por dias e dias) ou aquela em que talvez alguém até exagere (levemente) na bebida… Mas, nem isso há de ser problema! Afinal, como sua festa não é de revista, a garrafa de 2 litros de coca-cola estará lá a postos e a espera do primeiro sinal de ressaca – ressacas que só as grandes festas da vida real proporcionam (ou você consegue imaginar aquela moça linda da festa de revista de ressaca no dia seguinte?).

Ai ai. O mundo real também não é absolutamente delicioso? ;)

fotos: Wohn Idee

Você Pode Gostar Também

13 Comentários

  • Reply
    Joy_UK
    3 de agosto de 2011 at 18:49

    Falou TUDO Faby!

    Adorei adorei adorei esse texto. Acho que preciso me lembrar dele toda vez que me da vontade de chamar os amigos pra virem aqui em casa pra uma festinha, uma bobagenzinha…E ai a louca perfeccionista que mora em mim diz NAO pq tem um zilhao de coisas erradas na minha casa, que nunca esta arrumada a altura pra fazer festas e afins.

    Queria mto aprender com esse post e me desprender desse perfeccionismo que as vezes impede de fazer uma festa divertida como aquela que vc descrevei no ultimo paragrafo!

    Beijao, flor
    x

  • Reply
    Fernanda Mallmann
    3 de agosto de 2011 at 20:29

    Nossa Faby ADOREI o seu “delírio”!!!!!!!!!! O que é mesmo a perfeição?! A alegria de compartilhar, de gargalhar, de beber um pouco além da conta, de escorregar no chão suado da cozinha depois que todos já entraram. Pois é fato, pelo menos aqui em casa, 4 garrafinhas bem arrumadas no cooler, balde de zinco, ou seja lá o que for, é o meu esquenta pra chegada dos convivas…

  • Reply
    Lourdes
    4 de agosto de 2011 at 9:30

    O seu texto está delirantemente fantástico! O da Fernanda também! Só não precisa escorregar, onde quer que seja, pois é sempre um risco. E vc, querida Joy, exercite-se nesta arte que é se abrir para a alegria de estar com os amigos. GRande abraço para as duas…ui! para as tres!

  • Reply
    Renata Rodriguez
    4 de agosto de 2011 at 11:03

    Eu sempre ficava meio decepcionada com minhas produções porque estava loooonge da beleza das festas das revistas, sites e afins, principalmente por causa dos guardanapos de tecido maravilhosos em aros chiquéeeeerrimos sobre porcelanas finéeeezimas e eu aqui com meus guardanapos de papel kkkkk… depois dessa vou desencanar, adorei o texto!!

    • Reply
      Faby
      4 de agosto de 2011 at 11:16

      Num é Renata? A gente se frustra pq quer reproduzir aquele ambiente perfeito e acaba até perdendo a vontade de fazer uma festa pq não tem aquelas coisas lidnas. Não pdoe! Caprichar sim, sempre! Mas isso não quer dizer que a festa tem que ser impecável, como as dos editoriais – lá, tem muuuuuuuuuita gente envolvida pra que tudo fique tão lindo :)

      Se joga!
      Bjo!

  • Reply
    Talita Alves
    4 de agosto de 2011 at 11:42

    Ameiiii o texto!!! Mas vc falou tudo: tem coisa mais gostosa e prazerosa do que uma festa decidida na hora regada a boa comida e bebida? Nãooooo!
    Amo esses encontros! Me fazem tão bem!
    Beijos!

  • Reply
    Carmen
    4 de agosto de 2011 at 15:34

    E viva o luxo da convivencia, da mesa farta, das boas amizades, da tonturinha !!!
    Muito bem dito Fabi: deixemos as festas de revista, para as revistas, a nós apenas e simplesmente o prazer da boa convivencia com os nossos, que sejam amigos, familiares, amores, etc…etc…etc…

  • Reply
    Vilma
    5 de agosto de 2011 at 11:50

    Gente,
    Tow até de alma lavada com este texto. As revistas, ao não explicarem que se levou tantos dias e que aquelas fotos envolveram uns 15 profissionais, ou até mais, vende a ilusão de que tudo pode magicamente ficar daquele jeito.
    E o pior é que agente compra essa ilusão.
    Se agente prestar atenção direitinho, como o texto fez, festa pra ser legal não precisa de toda essa produção, mas de carinho, de vontade de compartilhar aquele momento especial com quem agente gosta.
    Parabéns pelo texto e pela mensagem.

  • Reply
    Samis
    5 de agosto de 2011 at 15:48

    Que delicia de texto !!

  • Reply
    cle
    7 de agosto de 2011 at 7:55

    Texto maravilhoso! Sem duvida entre o real e o ideal existe uma grande distancia.Ainda bem,pois eu estou beeeem longe do ideal!

  • Reply
    Ana Flores
    7 de agosto de 2011 at 7:58

    É isso aí, Faby. Aquele friozinho no estômago (o meu é no estômago e não na barriga) e a dor na lombar de ter ficado tanto tempo em pé, ter feito tanta coisa, sempre com medo dos imprevistos são fruto de uma ansiedade que não precisava existir nesse nível. Gosto de fazer reuniões com a minha cara, guardanapos de papel coloridos (combinando com a toalha…rsrs) e muito calor humano. Vc pôs o dedo na ferida , Faby. Muito bom esse lembrete!!!
    Beijos

  • Reply
    Sueli Romanholi
    8 de agosto de 2011 at 14:21

    Oi Faby, quanto tempo … sou da turma do Rainhas ainda, mas continuo passando por aqui todos os dias …

    Preciso de um grande favor seu, por acao vc tem algum tipo de contato com a Gisele, aquela da turma antiga, preciso falar com ela e o e-mail está voltando …

    Beijokas,
    Mande pelo meu e-mail por favor …

    • Reply
      oi
      18 de outubro de 2013 at 15:49

      oi… apreciei sua culinária, e creio que você seja uma excelente mulher, dedicada à casa e a família. Te Adoro!!!

Deixe uma Resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mistura caseira para capuccino Como preparar Gim Tônica Receita de Charuto de Folha de Uva 5 dicas para o bife perfeito Receita de Tartar de Salmão