notícias do reino

Com os dias contados

Acordo prevê fim de sacola plástica em mercados de SP.

Acordo entre o governo de São Paulo e supermercados prevê o fim do uso de sacolas plásticas até o fim do ano no Estado. A campanha será oficializada em maio, na feira anual da Apas (Associação Paulista de Supermercados).

A extinção das sacolas plásticas, que demoram mais de cem anos para se decompor no ambiente, foi acertada entre o governo paulista, as grandes redes supermercadistas -Pão de Açúcar/Extra, Carrefour e Walmart, que têm 35% do setor no Estado – e também as redes pequenas.

São Paulo deverá ser o primeiro Estado do país a banir as sacolas plásticas -já há iniciativas assim em grandes cidades do país.
A medida, entretanto, não tem força de lei e é fruto de um acordo do governo com os supermercados. Feiras e lojas, por exemplo, poderão continuar a dar sacolas plásticas aos clientes.

A partir da data da feira da Apas, os estabelecimentos terão seis meses para deixar de distribuir as sacolas.
Juntamente com as garrafas do tipo PET (usadas em refrigerantes), as sacolinhas são os maiores poluentes de rios e de mananciais no país.
As sacolas plásticas serão substituídas por embalagens ecológicas, confeccionadas com uma espécie de “plástico verde” biodegradável de amido de milho. O material se decompõe em até dois meses. “É um material comestível. Seu filho vai poder comer a sacola”, disse João Galassi, presidente da Apas, em tom de brincadeira.

ALTERNATIVAS

Cada sacolinha de milho custará R$ 0,19 -preço de custo- e será vendida nos caixas. A ideia é que a cobrança pelas embalagens diminua a sua utilização. Além da “sacola comestível”, os supermercados venderão sacolas retornáveis de pano com a grife de entidades assistenciais, a R$ 1,80.

“Vamos incentivar entidades assistenciais e ONGs a fazer suas sacolinhas retornáveis. Os supermercados também vão comprar essas sacolas para vender no caixa.” As caixas de papelão, nas quais o varejista recebe os produtos da indústria, também serão disponibilizadas aos clientes, prática que atualmente já acontece em alguns estabelecimentos.

Antes de levar o programa a todo o Estado, os supermercados testaram o programa em Jundiaí (58 km de SP). A substituição teve forte apoio popular e tirou de circulação 132 milhões de unidades em seis meses, o equivalente a 480 toneladas de plástico.

Estima-se que os brasileiros consumam 12 bilhões de sacolas por ano -média de 63 unidades por habitante.

A matéria acima é da Folha de São Paulo e foi com uma pontinha de esperança que a li hoje. Estamos mesmo pensando muito mais no meio ambiente e em nossa vida aqui na Terra, han? Fico feliz e orgulhosa de saber que estamos dando pequenos (e atrasados) passos, mas que parece haver mesmo uma luz no fim do túnel. Me alegra imensamente imaginar que as próximas gerações podem nem chegar a ter contato com sacolas plásticas e, mais ainda, me alegra saber que elas – as próximas gerações – farão muito mais ainda do que nós. Que bom!

Agora… a minha experiência em deixar de usar as sacolinhas plásticas me trouxe um pequeno problema: o que usar na lixeirinha de casa? O lixinho da pia, abastecido com as famigeradas sacolas plásticas, fica como? Ao usar caixas de papelão (a opção que mais uso atualmente) e as sacolas retornáveis, volto pra casa sem sacos para abrigar o lixo orgânico, a menos é claro que eu compre sacos de lixo (coisa que ainda faço, justamente para esse tipo de lixo).

Uma opção agora é pagar pela sacolinha de amido e reutilizá-la para o lixo, o que faria com que cada lixinho de casa passasse a custar ao menos 0,19. Pode ser muito, mas não para uma casa como a minha, que produz pouca quantidade de lixo orgânico (e uma imennnnnsa quantidade de lixo reciclável). É uma solução e, quem sabe, um caminho para todos os sacos de lixo.

Uma coisa é certa: estamos acertando o passo. De novo, que bom! :)

**

Aqui, a sacolinha de amido de milho que eu comprei e já mostrei no blog.

Você Pode Gostar Também

16 Comentários

  • Reply
    Paula
    23 de abril de 2011 at 18:00

    Moro em Americana-SP, e aqui a prefeitura estipulou o prazo para dia 5/6 a partir dessa data nenhum mercado poderá oferecer as sacolinhas descartáveis.
    Também pensei nas biodegradáveis para os lixinhos de casa.

  • Reply
    Lu Cupido
    23 de abril de 2011 at 19:14

    Fico imensamente feliz em ler uma matéria como esta!
    Espero que todos apoiem esta inicitiava e que se estenda para todo o país.

    Beijo

  • Reply
    Janaina
    23 de abril de 2011 at 20:53

    Faby, em BH já está valendo desde o dia 16 de abril. Claro que um ou outro estabelecimento ainda tem sacolas, mas a maioria já está vendendo as sacolinhas plásticas ( R$ 0,16, em média), E têm sacolas retornáveis pra gente comprar. Aliás, tem uma rede aqui que tem sacolas desenhadas pelo Ronaldo Fraga, um luxo só, eu tô até colecionando, kkkkk ( essas são da coleção passada, não encontrei fotos das novas, que são looooooooooosho! http://oficina.inclusaodigital.gov.br/?q=node/105)

  • Reply
    Letícia
    24 de abril de 2011 at 12:51

    Notícia maravilhosa!!!

  • Reply
    maria helena toninelo
    24 de abril de 2011 at 14:14

    Fabiane,
    moro em Campo Grande/RS e acho que esse tem sido o problema: achar o que substitua nossos saquinhos nos lixinhos de pia e banheiro. Mas, como sempre existe um mas, as coisas não são tão ruins assim, pois já encontraram a solução. Encontrarás no site abaixo com as devidas explicações que poderás passar para nossas amigas. Via: http://de-verde-casa.blogspot.com/2009/12/saquinho-de-jornal.html
    Quando posso sempre faço uma visitinha.
    Um abraço
    Maria Helena/.

  • Reply
    Ana Luiza
    24 de abril de 2011 at 19:08

    Isso mesmo, aqui em BH já está valendo. E toda vez que vou ao supermercado lembro que esqueci a super sacola ecológica de lona ou no carro ou em casa. Aí trago nas caixas! É que toda mudança de hábito demora um pouquinho pra pegar!!! Mas acho que vai ser ótimo!!!

  • Reply
    Dricka
    24 de abril de 2011 at 21:59

    Faby, quando eu era criança as sacolinhas plasticas não eram assim tão abundante e olha que nem cheguei aos 35, o caso é que a tecnologia cresceu, as comodidades aumentaram, os compromissos também e acabou que queremos tudo muito prático. Olha só quando eu era criança, o lixo era colocado em latas tampadas, que a colocavamos na rua em dias de coleta e os lixeiros jogavam o lixo no caminhão e a lata na rua, depois iamos buscar, amassava claro, mas a gente achava normal. Não digo para voltarmos a isso, mas eu tenho deixado o lixo da pia e do banheiro sem sacolas e mantenho um baldão com tampa no quintal com um saco de lixo, todos os dias esvazio as lixeiras, colocando o lixo no baldão, desse modo ao inves de muitas sacolas uso apenas um saco por coleta, o tamanho pode ser adaptado ao tanto de lixo que se produz, eu produzo pouco pois reciclo e faço adubo. É uma solução, dá um pouco de trabalho, pois as lixeirinhas tem que ser lavadas todos os dias (usando agua com parcimonia, please) mas é uma opção.
    Bjjs (Desculpe pelo tamanho do comentario)

  • Reply
    Mari K
    25 de abril de 2011 at 11:08

    Moro em Jundiaí, SP. Aqui isso já está valendo faz quase 1 ano! Muita gente no início foi resistente, mas agora a cidade toda já se adaptou e carrega suas sacolas de compra pra todo lado :) Adoroooo isso!
    E os mercados, clero tem as sacolinhas bio que custam 19 centavos, para emergências…

  • Reply
    Faby
    25 de abril de 2011 at 11:54

    Gente, mas o que precisa ficar claro é que uma mudança dessa em uma cidade da complexidade de São Paulo é muito, mas muuuuuuuito mais difícil! Impossível não, mas a maior cidade do país requer uma logística imensa para que essa lei saia do papel.
    Eu estou confiante e acho que em pouco tempo estaremos super adaptados.

    Bjocas!

  • Reply
    Faby
    25 de abril de 2011 at 12:00

    Ai Dricka, mas sabe? Eu também não quero entrar numa nóia não… continuo usando meus saquinhos nas lixeiras e estou, aos poucos, produzindo menos lixo. O que conta na verdade é que antigamente (algumas coisas não são passíveis de comparação, bem entendido) a produção de lixo era MUITO menor. No interior a gente tb colocava latão de lixo na rua, sem saco até, mas isso é inconcebível nos dias de hoje e numa cidade como São Paulo – lá, o lixo orgânico ia para o jardim, para a horta, luxos que infelizmente a maior parte da população que vive numa cidade grande nem tem.

    Fazer adubo é uma opção bacanérrima mas muuuuito distante da minha realidade – impensável até. Então, eu acredito em pequenas soluções para grandes problemas… por enquanto, a sacolinha de amido vai resolver o meu problema das lixeirinhas e os saco maior, do lixo da casa toda, ainda será o sacão de lixo comum até que alguma outra solução apareça.

    O que eu acho é que essas mudanças não podem ser traumáticas. Se para pensar no meio ambiente, o cidadão tiver que mudar TOOOOODA uma logística da casa dele e, pior, se tiver MUUUUIIITO trabalho para fazer a paradinha, ele acaba desistindo. As ideias precisam ser, antes de tudo, práticas, como requer uma vida moderna em uma metrópole.

    Bjins!

  • Reply
    beatriz bernardes
    25 de abril de 2011 at 23:20

    Aqui em Belo Horizonte já está valendo e como em qualquer mudança fica dificil a gente sair da nossa “zona de conforto”. Porém acredito que as redes de supermercados e demais logistas tinham que também fazer a sua parte pois é fácil transferir toda a responsabilidade para o consumidor. Já fui em loja de bijouterias que me pediram para levar a mercadoria na bolsa porque não tinham nada para substituir as sacolas plásticas. E alguém sabe me dizer quantas sacolas retornaveis são necessárias para quem faz a compra maior para uma familia de 3 pessoas?

  • Reply
    tatiana
    27 de abril de 2011 at 10:34

    é preciso pensar melhor nos impactos que esse material trará.

    vejam a opinião do fotógrafo Pedro Martinelli: http://www.pedromartinelli.com.br/blog/

    • Reply
      Faby
      27 de abril de 2011 at 12:22

      Ah Tatiana, educação seria a melhor saída, mas né… isso só acontece (se é que acontece) a longo prazo e … talvez uma solução perfeita não exista mesmo.

      Mas a informação do Pedro Martinelli é importantíssima, gracias por compartilhá-la aqui.

      Bjo!

  • Reply
    Lúcia Gomes
    27 de abril de 2011 at 17:39

    Moro em Belo Horizonte, aqui as sacolas pláticasjá estão proibidas no comércio da capital desde o dia 18/04/2011.
    BH é a primeira capital a banir as sacolinhas.
    bjs

  • Reply
    Lúcia Gomes
    27 de abril de 2011 at 17:50

    Em Belo Horizonte as sacolas plásticas já estão proibidas no comércio desde o dia 18/04/2011. Belo Horizonte é a primeira capital a banir as sacolas plásticas.
    bjs

  • Reply
    Nani
    1 de maio de 2011 at 13:54

    Aqui em BH já está rolando essa lei desde o ultimo dia 18, por enquanto está entre trancos e barrancos, ainda vemos sacolas nos supermercados, mas já reduziu muito!

Deixe uma Resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.