Frango multicolorido

Veja bem, tudo começou quando eu saí de uma tempestade e um vendaval que atingiram São Paulo e, mais especificamente, a região onde eu trabalho, próximo ao aeroporto de Congonhas…

Por conta da falta de energia, o trabalho acabou forçosamente mais cedo e eu enfrentei um congestionamento monstro com todos, eu disse absolutamente todos, os semáforos da região desligados e um caos generalizado, aliás…já notaram como um ser humano vira um monstro numa hora dessas?
Pois bem, por conta do vendaval e do trânsito infernal, passar em um supermercado estava completamente fora de questã, mas o meu almoço meia-boca de hoje me forçavam a, pelo menos, tentar comer algo gostoso no jantar. Até porque comadres, depois de passar por tudo isso, o que eu precisava mesmo era da minha casa + uma cerveja gelada + uma comida fresquinha, exatamente nessa ordem.

Okey, voltamos à vaca fria…
Depois de comprar um amendoim torrado no farol (sem comentários, please), que por sinal não estava funcionando, tive a idéia genial de que tudo que eu precisava para ser feliz hoje era comer um delicioso frango xadrez (porque o frango xadrez leva amendoim, sacou agora a associação né?). Tudo parecia lindo mas a realidade nem sempre é como a gente sonhou. Chegando em casa, ao abrir a gaveta de verduras e legumes da geladeira, tudo que eu vi foram umas coisinhas poucas e um imenso vazio. Nada de cenoura, nada de acelga, nada de cebola, nada de vagem, nada x nada. Dando banda por lá apenas uma metade de um repolho roxo, duas pimentas americanas e dois alhos-porós (odeio plural de palavras compostas, é isso mesmo? rs) e mais pra cima, meia lata de milho que sobrou da salada de ontem.

A solução foi uma só, na verdade a única – juntar tudo no frango, ou quase tudo, o alho-poró eu achei que seria demais.
Foi aí então que nasceu esse franguinho delícia que me tornou uma pessoa melhor e aplacou o meu desejo de sair matando as pessoas hoje, especialmente os amarelinhos do trânsito que contribuíram demasiadamente para que minha volta pra casa se transformasse numa odisséia digna de Dante.

O frango eu fiz da maneira mais simples que uma pessoa seriamente debilitada pode fazer – dourei os filés cortados em cubos com alho e a pouca cebola que restava, coloquei uma quantidade generosa de shoyu, acrescentei o repolho, o milho e as pimentas picadas, cozinhei até tudo ficar macio e no final acertei o sal com mais shoyu e joguei lá os amendoins do farol que foram cuidadosamente guardados para esse fim.

Fiz um arroz branco fresquíssimo, comi, tomei minha cerveja, vi o bairro do meu trabalho no noticiário de TV que dizia que ele foi o mais atingido pelo vendaval em SP, tomei meu banho, botei meu pijama e espero daqui a pouco encontrar o resto do conforto que me falta nos braços de Morpheu.

The end. Agora hoje, só amanhã :)

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

No Comments Yet.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*