Torta fria, um clássico


Se você foi criança nos anos 70 deve conhecer bem essa torta. Feita de pão de forma e recheio e cobertura variados – ora de frango, ora de atum, com maionese, requeijão… cada família fazia sua própria receita, suas variações (tinha gente que fazia ela toda colorida, um arraso!), mas uma coisa era certa: se tinha uma comemoração qualquer – pimba! lá estava ela, quase sempre acompanhada da boa e velha tubaína.

Saudosismo à parte, a ideia de preparar a torta fria dia desses em casa veio de dois fatores distintos… primeiro porque vi no supermercado um pão da Wickbold pronto para essa preparação (com fatias longas e sem casca) e em segundo porque eu tinha um frango assado quase inteiro que tinha sobrado do almoço preguiçoso do sábado e tinha que dar alguma providência. Ok gente, aqui cabe a pergunta de 1 milhão de dólares…

Você joga comida fora?

Respondeu NÃO, né? Ufa, que susto! Porque né, jogar comida fora em dias como esses, só sendo muito da doida ;)

Ok, voltando à torta fria…

Aqui eu fiz dois recheios:

1) Desfiei todo o frango assado e passei pelo processador, com um pouco de creme de ricota. Temperei apenas com pimenta do reino moída e uns cubinhos bem pequenos de pimentão verde, já que o frango assado já estava temperado;

2) Processei cream cheese e cenoura e fiz uma pasta (mas também podia ser salsinha pra ficar verdinho ou beterraba, pra uma torta mais rosada).

Depois, foi só montar: pão + pasta de cenoura + pão + frango + uma camada de agrião + pão + pasta de cenoura + frango + pão. Pronto!

Para finalizar, cobri com purê de batata e queijo parmesão ralado por cima. E, para ficar com a cara da nostalgia, batata palha nas laterais :)

Gela um pouquinho antes de servir e voilà!

Há quem diga que essa torta é cafona. Eu digo que ela tem gostinho de infância <3

Cozinha da leitora – Galete de pera e figo

Essa receita linda de viver foi enviada pela leitora Kalina Morena…

Oi Fabi,
… tô mandando uma receitinha para, se possível, você publicar no ‘pimenta’. é a receita de uma galete de pera e figo, que ficou bem gostosa. tô no Brasil no momento, mas ainda vou voltar para a Inglaterra para concluir meu doutorado. entrementes, :-) me aventuro na cozinha.
muito obrigada e um abraço,
Kalina
http://www.thesotontimes.blogspot.com

Como nada pode ser tudo na vida, eu também tenho hobbies que me ajudam a aliviar as tensõesque me visitam. E assim tenho desenvolvido um talento na cozinha que me ajuda demais a relaxar e a comer bem [repara aí na modéstia]. Fazer um prato de comida, desde o planejamento da compra de ingredientes, produção e finalização com o mesmo à mesa de refeição é super legal porque me dá a sensação, muito boa, de completude. Acredite, essa experiência me ajuda nos projetos da vida.

Tirei essa receita da Mary O’Rourke  do ótimo The Waffle Window. Galete, a torta rústica. Essa é de peras e figos. Mary tem um canal no youtube. Lá ela ensina direitinho a fazer essa galete, com os detalhes nas instruções. Aqui vai minha tradução meio capenga da receita.

Galete de pera e figo

Porções: 6

Tempo de preparação: 2horas

Ingredientes para a massa

  • 1 copo de farinha de trigo
  • 1/4 colher de chá de sal (botei um pitada mínima)
  • 1/4 colher de chá de açúcar
  • 6 colheres de sopa de manteiga sem sal gelada – corte a manteiga em cubinhos.
  • 3 colheres de sopa de água gelada

Para o recheio

  • 700 gr mais ou menos de peras maduras e firmes [usei 3 peras e foi suficiente]
  • 1 colher de sopa de suco de limão
  • 4 colheres de açúcar
  • 2 colheres de chá de farinha de trigo
  • 1/4 colher de chá de pimenta do reino [black pepper] moidinha [usei baunilha ao invés da pimenta, mas sei que com a pimenta fica muito legal também]
  • 5 figos frescos pequenos
  • 1 colher de sopa de manteiga amolecida
  • 1 colher de chá de [turbinado sugar] usei um açúcar demerara crocante

Para osfinalmentes

  • 2 colheres de chá de [turbinado sugar] usei um açúcar demerara crocante
  • Água para pincelar a massa

Como fazer a massa

  • Peneire 1 copo de farinha de trigo com 1/4 colher de chá de sal [usei uma pitada minima] e 1/4 colher de chá de açúcar.
  • Ponha tudo numa vasilha pequena com os cubinhos de manteiga, usando duas facas ou suas mãos para juntar a manteiga à mistura seca até essa mistura ter a consistência meio esfarelada. Cuidado para não derreter demais a manteiga.
  • Adicione as 3 colheres de sopa de água gelada à massa. Se estiver muito seca, adicione mais um pouquinho de água gelada.
  • Forme uma bola da massa e bata até ficar na espessura de mais ou menos 2cm.
  • Guarde em plástico filme ou num saco plástico de guardar comida e deixe gelar por pelo menos 30 minutos, ou até por uma noite.

Como fazer o recheio

  • Enquanto a massa está gelando, misture 4 colheres de sopa de açúcar com a farinha de trigo e a pimenta.
  • Descasque as peras [ou não, como eu fiz. também fica bom com a casca] e corte-as em fatias no sentido do comprimento. Coloque-as numa vasilha com o suco de limão.
  • Corte os figos em metades.
  • Coloque um pouquinho da colher de sopa da manteiga macia e do açúcar [turbinado] ou demerara, primeiro a manteiga, depois o açúcar [ou açúcar branco ou mascavo] sobre os figos. Isso vai evitar que os figos ressequem enquanto assam. Deixe-os de lado enquanto vai montando a galete.

Como fazer a galete

  • Pré-aqueça o forno em temperature média.
  • Tire a massa do plástico da geladeira e o coloque-a numa superfície ligeiramente enfarinhada. Usando um rolo, abra a massa em mais ou menos 35cm de diâmetro.
  • Transfira a massa para um papel manteiga na assadeira, se preferir, ou diretamente numa assadeira ligeiramente untada de manteiga. Com o papel manteiga fica mais fácil no final tirar a torta da assadeira e transferí-la para o prato de servir.
  • Com a massa na assadeira marque um círculo de 20cm no centro da massa. Usei um prato de sobremesa para marcar levemente esse círculo, que vai ser o tamanho do recheio da galete.
  • Ponha no centro do círculo metade da mistura de pimenta / açúcar / farinha. Reserve a outra metade para jogar depois sobre as peras.
  • Arrange as peras que foram cortadas acompanhando o círculo na massa, uma fatia de pera mas ou menos cobrindo um pouco a vizinha.
  • Agora ponha a outra metade da mistura de pimenta / açúcar / farinha sobre as peras.
  • Arrange os figos no centro das peras.
  • Dobre a parte de fora da massa [como se a fechasse] sobre as peras, deixando a fruta do centro [os figos] exposta.
  • Molhe um pouco a massa com água, usando um pincelou as mãos e ponha o restante do açúcar demerara de maneira uniforme sobre a massa.
  • Coloque a torta no forno para assar por 40 a 50 minutos, até dourar a massa e as frutas estiverem / parecerem cozidas e um pouco suculentas. Fique de olho nesse tempo porque os fornos variam um pouco na temperatura.
  • Quando pronta, transfira a galete para o prato de servir. Passar uma espátula de metal por baixo da galete ajuda nessa hora. Transfira a galete ainda morna.
  • Sirva morna ou fria [eu comi com sorvete de baunilha. muito bom].

Achei a galete gostosa, com pera e figo o sabor ficou suave. Acho que fica legal com outras frutas também.

Bom apetite.

***
Obrigada por dividir conosco a receita, Kalina. Arrasou! ;)

Tarte de frango e abacaxi

Bom, já começo o post me desculpando. Sumi né? Mas ó, tá babado, gente! Em outro post eu conto. Segurem aí!

Agora, sobre a receita do post, lá vem polêmica… Eu ia chamar de Quiche à Moda Thai, mas aí lembrei que ouvi numa aula uma vez que quiche tem que ter o recheio à base de ovos e leite – duas coisas que não tem nessa minha invenção. Pensei em chamar de torta… mas né, torta quem que ter cobertura de massa – e essa não tem.

Foi então que postei a foto no Instagram e joguei pro universo, ou melhor, pro meu amigo Cobra, que é estudante de gastronomia e muito mais sabido do que eu. Ele então me disse que isso é Tarte. Se ele disse, tá dito! Tarte, então.

O recheio aqui tem uma pegadinha Thai, uma coisinha agridoce por conta do abacaxi. Gente, ficou s.e.n.s.a.c.i.o.n.a.l! Sério mesmo. Tentem em casa! A massa é bico de fazer e o recheio é o que vier na sua cachola… eu só vou dar uma ideia, tsá? Bora lá…

A massa

Ponha numa tigela os ingredientes secos… 280g de farinha de trigo peneirada e 1 colher café de fermento em pó. Junte então 1 ovo inteiro ligeiramente batido, 3 colheres de sopa generosas de iogurte natural, 140g de manteiga e uma pitada de sal. Daí é só misturar com a ponta dos dedos e ir mexendo a massa até que ela esteja macia, lisinha e homogênea. Enrola a massa num plástico filme e leva à geladeira por meia hora mais ou menos.

O recheio

Aqui eu fiz o seguinte… Cozinhei um peito de frango com osso numa mistura bem aromática: louro, cravo, muito gengibre, cebola, alho, sal, curcuma e pimenta dedo de moça. Cobri com água e deixei na pressão até o peito ficar beeem macio. Depois, desfiei no processador  comecei a preparar o recheio da tarte (estranho essa coisa de tarte, né? rs).

Peguei aquele franguinho já desfiadinho, botei numa tigela e juntei: cream cheese (1 potinho pequeno), uva passa branca sem semente (um bom punhado), abacaxi cortado em cubos grandes, cebolinha picada e pimenta dedo de moça (sem as sementes) também picadinha. Misturei bem, acertei o sal e o recheio estava pronto.

Voltando à massa…

Depois de passar aquela meia horinha na geladeira, você pega a massa e forra com ela o fundo e as laterais de uma fôrma de fundo removível, faz uns furinhos com o garfo (só para a massa não subir) e leva ao forno médio pré-aquecido por uns 15 minutos.

Retire do forno, junte o recheio e volte pro forno, dessa vez por uns 20 minutos até que a massa esteja douradinha. O recheio já está todo cozido e a ideia é que o abacaxi não derreta, ok?

Se joga na Tarte, Quiche, Torta ou whatever!

Quiche super leve (sem massa) de brócolis

A inspiração veio do blog da Utilplast, com algumas adaptações – ao que tinha na minha geladeira e ao regime, que voltou brabo depois de um fim de semana de esbórnia gastronômica.

Entonces, o resultado foi uma espécie de quiche muito leve e super prática, que pode ser servida com uma saladinha e virar uma aposta certeira para um jantar mais light.

Em uma tigela misturei 4 ovos, 1/2 xícara de ricota fresca amassada, mais ou menos 1 1/2 xícara de brócolis levemente aferventado e picado, 1 pacote de queijo parmesão ralado (50gr), sal e pimenta calabresa e salsinha.

Não tem mistério… é só misturar tudo muito bem e colocar em ramequim untado com azeite e polvilhado com queijo ralado e levar em banho maria ao forno médio preaquecido. Leva cerca de 40 minutos até firmar e dourar e rende 2 quiches grandes.

E tem uma porção de substituições possíveis, né? Adoro :)

Servi com salada de couve que, segundo minha sogra, é batuta para emagrecer. Será? :P

Torta de pão com recheio de frango e creme de palmito

Se você foi criança nos anos 70 e viveu no interior de São Paulo, provavelmente viu a foto acima e teve um pequeno momento revival, não foi?

Pois é, essa famosa torta gelada de pão de forma era presença garantida em festinhas na escola, visitas à casa da tia (tia adora fazer essa torta) e até, sério mesmo, em casamento eu cheguei a comê-la – glamour era uma palavra desconhecida, admito ;)

Enfim, trata-se portanto de um prato nostálgico. Alguns dirão que é brega, e talvez seja mesmo – pra quem, é claro, se dá com essa coisa de rótulos e padrões – outros acharão uma receita boba e sem graça, mas o fato é que quem prova uma torta de pão bem feita rapidinho se desfaz desse monte de “achismos” e acaba é achando muito bão e ponto.

Eu não tive como escapar da vontade louca de fazer a torta quando me deparei com esse pão de forma colorido na Santa Marcelina. Se eu fosse mais pheena, ia atacar de canapés – e esse pão deve se prestar maravilhosamente a isso – mas como sou apenas uma grande saudosista, me joguei na invenção de recriar a torta da minha infância e ó… não é por nada não mas eu arrasei. Dá uma olhada se tinha alguma chance disso não ficar uma delícia…

1 – Para começar, providenciei um creme de palmito: cebola e alho no azeite até murchar, palmito picadinho, uma colherada de farinha de trigo, frita bem, junta leite, tempera com sal e pimenta e deixa o creme engrossar.
2 – Depois, foi a hora de preparar um frango desfiado bem temperadinho – leva alho, cebola, milho verde, tomate cereja picado, salsinha, bastante manjericão, sal e pimenta a gosto.
3 – Para dar ainda mais sabor, uma pasta de ricota com azeitonas pretas, os dois juntos processados e levemente temperado com sal e azeite.

Tudo isso pronto, foi só começar a montar as camadas da torta, alternando os recheios.

Para finalizar, cobri com um creme feito com maionese, creme de leite e requeijão. Há quem cubra só com um ou com outro e não tem nenhum problema nisso. Eu preferi a mistura dos três e o resultado foi um creminho bem suave. Salpiquei gergelim e levei à geladeira até o momento de servir.

Aliás, para servir o melhor acompanhamento é tubaína… mas né, se você não quiser ser tãããããõ nostálgica assim, libero um suco ou refrigerante comum =)

Nem preciso dizer que rechear uma torta de pão nada mais é do que um exercício de criatividade, né? Praticamente tudo que tiver dentro da sua geladeira pode servir de recheio. A única observação é não usar recheios muito molhados, para não amolecer demais o pão. O resto vale tudo… e dá para abusar bastante das cores, mesmo utilizando um pão de forma comum – cenoura e beterraba raladinhas dão um colorido bacana e o mesmo vale para pastinhas com azeitonas pretas, salsinha, brócolis cozido, mandioquinha… quanto mais colorida a torta, mais batuta ela fica :)

Torta folhada de arroz doce e ricota

Eu não sou fã de arroz doce mas quando vi uma receita de torta com ele, não resisti à tentação de saber como ficava o resultado. E, quer saber? É muito bom! Um doce bem diferente e ideal para quem não curte doces melados – e com café fresquinho vai muito bem.

A ideia veio do livro Risotto, mas fiz várias alterações e ajustes – tantas que até fiquei com medo de dar “zebra”…rs (o que, felizmente, não deu).

Bom, o primeiro passo é fazer o arroz doce. Para isso, usei 1 xícara de arroz arbóreo, 1 litro de leite, 2 colheres (sopa) de açucar, 1 colher chá de raspas de limão siciliano e cravos.
Nenhum mistério – juntar todos os ingredientes em uma panela e cozinhar por 20 minutos ou até que o arroz esteja cozido nas pontas mas ainda firme no centro.

Depois de cozido, é só colocar o arroz em uma assadeira para que esfrie mais rápido e reservar.

Enquanto isso, abra uma massa folhada e com ela forre o fundo e as laterais de uma fôrma de fundo removível e leve para pré-assar por uns 10 minutos.

Para finalizar o recheio da torta misture em uma tigela: 3 ovos batidos, 350gr de ricota fresca, 9 colheres de açucar, uma pitada de sal e as raspas todas de 1 limão siciliano (somente a parte colorida! nada de ralar junto a parte branca, ok?). Misture bem e incorpore  o arroz doce já frio (ou no mínimo morno).

Coloque o recheio na fôrma com a massa pré-assada, cubra com o restante da massa folhada e leve ao forno por 50 minutos ou até que a massa esteja dourada e o recheio passe pelo teste do palito.

Eu gostei de servir a torta morninha para tomar com café, mas penso que, se fosse o caso de uma sobremesa, uma bola de sorvete seria um acompanhamento ideal também.

Tortinha de frango, milho e gergelim

Eu adoro torta de massa podre, daquelas que esfarelam na boca, mas ainda não tinha achado uma receita sem gordura hidrogenada que fosse realmente gostosa. Essa, da Palmirinha, preencheu essa lacuna e e o toque do gergelim deu um plus à receita – eu adorei de verdade e o meu pessoal também curtiu.

Fiz a receita no formato tortinha, mas ela também cabe bem em uma fôrma só, de 24 cm e de fundo removível. Nem preciso falar que o recheio também pode ser qualquer um né? Aqui eu fui no clássico frango com milho (e um pouquinho de cream cheese), mas a comadre pode viajar de montão – palmito, carne seca, camarão, cogumelos (minha próxima empreitada vai ser um mix de cogumelos e acho que vai ficar sensacional)… dá pra apostar em versões vegetarianas também: ricota com escarola, espinafre, legumes à jardineira… a ideia central do recheio é sempre a mesma – que não seja muuuito molhado, o ideal é que ele seja mais denso, mais cremoso, sabe?

Então, vamos começar com a massa…

Em uma travessa misture: 2 xícaras (chá) de farinha de trigo, 1/2 xícara (chá) de gergelim (usei o torrado), 7 colheres de margarina, 1 ovo e sal a gosto.

Misture com as mãos e depois sove um pouco em uma superfície enfarinhada. Quando a massa estiver lisinha e homogênea, coloque-a em um saco plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Enquanto isso, prepare o recheio…

Eu usei peito de frango desfiado  – fiz o velho esquema, cozinhei com um cebola, alho, louro, sal e pimenta e depois desfiei bem desfiadinho no processador, mas é claro que o processo pode ser feito à mão, sem problemas – e depois fiz um grande refogado…

Na panela dourei alho e cebola e acrescentei 1 colher (sopa) de farinha de trigo, que deixei fritar também. Juntei o frango desfiado, pimentão verde em cubinhos, pimenta biquinho picada, um pouco de leite (fica melhor com creme de leite, mas eu não tinha) e umas 3 colheres de cream cheese. Misturei tudo, temperei com sal e pimenta e juntei 1 lata de milho verde e salsinha e cebolinha picadinhas e cozinhei até engrossar e não ter mais muito líquido.

Para montar as tortinhas…

Usei as forminhas pequenas (olha lá embaixo) e nem precisei untar (a massa já leva bastante margarina e solta facinho da forminha). Cobri a forminha com a massa, coloquei o recheio e depois mais um pouco de massa por cima, pra fechar (esqueci a foto…ops!).

Levei ao forno médio pré-aquecido e assei até dourar… acho que foi coisa de meia hora.

O resultado é esse aqui – massa fininha e quebradiça, uma delícia. Servi com salada de folhas e já tinha uma refeição completa :)

Aqui as forminhas. As minhas tem 8,5cm e a receita rendeu 10 tortinhas mas, como eu disse, você pode usar uma forma grande e fazer uma tortona, fica à vontade  :)

Torta folhada de aspargos, brócolis e queijo

Poucas coisas são tão versáteis quanto um pacote de massa folhada. Em pouco tempo você consegue uma torta salgada incrível, quiches vapt-vupt, petiscos, pasteizinhos doces… e sem precisar sovar massa e talecousa.

Eu tinha esse pacote dando bobeira na geladeira e mais uns brócolis e uns aspargos já nas últimas – não tive dúvida, juntei tudo e fiz uma torta folhada que, acompanhada de uma saladinha, faz as vezes de um jantar fresquinho para dias de calor infernal.

E olha no passo-a-passo como é fácil…

Rolo de batata, carne moída e espinafre

Como eu ainda não atingi o nirvana aí da comadre Denize, meu corpo, minha mente e meu ser como um todo (gostaram dessa de “ser como um todo” né?) clamam por carboidratos, sem os quais eu não vivo. De modos que a revista Cozinha Moderna me deu a inspiração e eu caí de boca, alma e todo o resto (incluindo umas boas taças de vinho, porque eu definitivamente não sou obrigada) nesse delicioso rolo de batata, espinafre e carne.
A receita é simples mas que tem algumas etapas…

1. Base de batata
É o velho esquemão – cozinha 1 kg de batata, passa pelo espremedor, junta 2 colheres de sopa de manteiga, tempera com sal, pimenta e noz moscada e junta 100 gr de farinha de trigo, formando uma massa homogênea.

2. Recheio de carne
Um belo refogado com carne de primeira moída (eu usei patinho), com bastante alho, cebola, tudo no azeite, com pimentão verde em cubinhos pequenos, páprica picante e azeitona picada, sal e pimenta a gosto.

3. Espinafre
Folhas de espinafre lavadas e escaldadas em água fervente com uma pitada de sal.

Para montar o rolo:
Pegue um pano limpo, cubra com farinha de trigo e coloque a base de batata, formando um retângulo. Sobre essa base distribua as folhas de espinafre e sobre essas, o refogado de carne.
Com um pouco de jeito e o auxílio do pano enfarinhado, vá enrolando formando um rocambole. Tome cuidado de fechar as laterais e pincele a parte de cima com uma gema de ovo batida. Depois, é só levar ao forno até dourar. Eu usei a fôrma de bolo inglês, mas pode ser na comum.

Notinhas:
O meu recheio foi de carne mas pode ser usado frango desfiado, atum, camarão ou o que mais passar pela tua cabeça.
A base é praticamente só batata e pouca farinha, só mesmo para dar uma “liga”, por isso a textura fica divina, como um purê.
Controle as lombrigas e tente cortar o rolo só depois de morno. Eu e minhas bichas solitárias estávamos com muita fome e partimos o coitado tinindo de quente, o que prejudica um pouco a estética da coisa :)

***

*update pós outra taça

Daí que eu percebi o seguinte…
Pra facilitar a vida da pessoa, principalmente aquela que já ingeriu vinho em demasia, faz o seguinte: pega o purê de batata, coloca na forma de bolo inglês devidamente untada e enfarinhada, coloca as folhas de espinafre, uma camada farta de recheio e mais uma de purê e leva tudo ao forno.
Porra, vamo’ facilitar, né não?

Com o tempo que sobrou (um bocado, believe me), tome mais umas taças de vinho.

Cara, o vinho definitivamente acelera meu raciocínio**

***

** mas prejudica deveras a minha digitação.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Bolo de cebola

Se você vai receber visitas para o café da tarde, uma boa idéia é servir também algo salgado como uma torta, uma quiche ou ainda como esse bolo de cebola, fácil de fazer e ótimo para servir com um suco geladinho.

Refogue 3 cebolas picadas e 3 tomates sem pele sem sementes também picados. Tempere com sal, pimenta (eu usei a calabresa), acrescente salsinha e cebolinha picados e reserve.
No liquidificador bata 3 ovos, 1/2 xícara de maizena, 1/2 xícara de farinha de trigo e 1 colher (sopa) fermento em pó. Junte a mistura ao refogado de cebola e misture bem.
Agora é só colocar em forma de buraco, untada e enfarinhada e levar ao forno médio por 20 minutos até dourar.

Essa receita também cai muito bem em um brunch… aliás, ando doida pra fazer um brunch. O último que eu fiz me rendeu um marido… hohoho mas essa é ouuuutra história ;)

dica: minha forma é muito grande, por isso o bolo ficou um pouco fino, acho que o ideal seja uma forma média.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar

Quiche folhado de batata e espinafre

Receita prática e bacana que abrilhantou meu cardápio de comidinhas de reveillon.

Você vai precisar de: 1 pacote de massa folhada (400gr), 4 ovos, 1/2 xícara de requeijão, 1/2 xícara de leite, 1 xícara de mussarela ralada, 3 batatas cozidas e cortadas em rodelas, 1 maço de espinafre cozido e picado (eu usei o congelado porque meu ódio de lavar espinafre já é publicamente conhecido…hohoho), 2 alhos-porós fatiados.

Forre o fundo e as laterais de uma forma de fundo removível (21cm) com a massa folhada e leve ao forno pré-aquecido por 15 minutos. No liquidificador bata os ovos, o requeijão e o leite e reserve. Sobre a massa vá montando camadas alternadas de mussarela ralada, batata, espinafre e alho poró. Por último despeje o creme batido no liquidificador. Daí, é só levar ao forno até dourar :)

Bão demais.

* post originalmente publicado no blog Rainhas do Lar