[#trucão] Rolê de frango com pesto

Essa é fácil.

1. Abra o peito de frango em filé. Para deixá-lo maior e mais fino, coloque-o em um plástico (ou entre um plástico filme) e bata delicadamente com o martelo de cozinha.

2. Prepare um pesto e acrescente ricota, fazendo uma espécie de pastinha.

3. Coloque a pasta por cima dos filés, enrole e prenda com palitos.

4. “Empane” os rolês no queijo ralado

5. Leve ao forno médio pré-aquecido até dourar.

Interpretação livre da imagem postada no Pinterest por Lily Childers.

Frango vapt-vupt


(eu agora sou ” fotógrafa” de Instagram – convivam com isso. Rá!)

Não dá nem pra chamar de receita, então vou tratar como dica, ok? Pra variar aquele peito de frango que você não aguenta mais, vai lá…

Numa wok vai óleo de gergelim e alho picadinho. Depois vem os cubos de frango, tempera com sal e pimenta, joga um tiquinho de saquê e deixa dourar. Junta o gergelim torrado, o tomate cereja cortado ao meio, mexe, espera uns 3 minutinhos. Junta o manjericão fresco e a rúcula, mistura e desliga.

Pode servir com arroz de jasmim, couscous marroquino e com o arrozinho comum do dia a dia, aquele fresquinho… hummmm, super combina! ;)

Frango com tofu ao molho de mostarda e iogurte

Falei no outro post sobre o lance da dieta e talecousa, né? Pois então, a coisa tá rolando com disciplina aqui em casa e isso tem me feito pensar em várias coisas, inclusive em mudar o foco do blog.

Meu marido tem sofrido há algum tempo com o efeito sanfona – engorda, emagrece, engorda de novo e por aí vai. É difícil para ele manter uma dieta e o próprio metabolismo não é exatamente um aliado em sua luta, daí a necessidade de vigilância constante e, consequentemente, de um rumo cada dia mais leve para as refeições na minha casa.

É certo que nunca fui de comidas muito gordas, com exceção é claro dos momentos de esbórnia (e continuo achando-os essenciais), mas ultimamente meu foco tem sido mesmo uma alimentação sem muitos excessos e uma tentativa (ainda sofrida, é verdade) de diminuir os carboidratos e alguns vícios da vida toda, como o refrigerante por exemplo.

Então, por conta de tudo isso e mais um monte de outras coisinhas que são da vida da gente mesmo, tem rolado uma série de questionamentos, principalmente na questão mais primordial de todas: a dificuldade de criar receitas atraentes quando se tem muitas restrições na dieta. Foi daí, e de um texto que escrevi hoej no Facebook que me veio esse lance de mudar o foco do blog – coisa que eu ainda não fechei direito na cabeça, mas juro que tô quase.

Ok… muita lenga lenga e a receita que é bom, nada até agora né? Então, vem comigo e dá uma olhada como foi simples simples preparar esse prato delícia, com proteínas e muito leve.

O primeiro passo foi temperar o filé de frango com uma misturinha que garante sabor: coentro em grãos, cúrcuma e semente de mostarda, tudo passado pelo pilão. Junta essa mistura ao frango, acrescenta um pouco de sal e pimenta calabresa e leva para a panela com um fiozinho de azeite até dourar bem. Depois, é só juntar alho picadinho e cebola (eu uso muito, mas você usa o quanto gosta) e deixar dourar também. Nessa etapa, pode ser necessário acrescentar um pouquinho de água (use a fervente) para deixar que o frango absorva bem os temperos utilizados e que ficaram “pregados” no fundinho da panela. O segredo é deixar o frango dourado, lindo de viver.

O próximo passo é muito simples – em uma tigelinha é só misturar o iogurte desnatado com a mostarda (usei uma ancienne com ervas de provence) e reservar.

Agora que seu frango já dourou, é só desligar o fogo e juntar o tofu em cubos, a mistura de iogurte e mostarda, mexer bem e servir.

Para dar um glam, finalizei com sal negro e uma folhinhas de manjericão, porque um verdinho é sempre importante. Você pode se jogar no cheiro verde picadinho, no coentro, só na salsinha ou na erva de sua preferência para essa finalização e vai ficar lindo e saboroso também.

Pronto! Prato  rápido, prático e saboroso – e nem parece de dieta!


(desapegue do creme de leite, comadre!!! mostarda + iogurte = uma dupla que vai super bem em qualquer prato: na salada, com aves, carne e até peixe, e é muito mais leve).

Tomate recheado com quinoa

Tempos sinistros, minha gente! Trabalho insano, dieta mode on, falta de ânimo e muito cansaço. O resultado é que minha cozinha anda tristonha e solitária e eu, cada dia mais saudosa dela e daqui :(

Mas, como eu ainda preciso me alimentar e tenho tentando não ceder completamente às tentações do delivery, dia desses saiu esse tomate recheado com quinoa que ficou sensacional e é uma ótima pedida para refeições ligeiras, saudáveis e com um tico de glamour, porque né… se me acabar o glamour, danou-se de vez! Rá!

Não tem segredo… primeiro a gente cozinha a quinoa em água temperadinha com o que você quiser – eu gosto de colocar uma folha de louro, uns dois cravinhos e um dente de alho esmagado, só pra adicionar um sabor mesmo.

Depois de cozida e escorrida, basta temperar a quinoa a seu gosto – eu usei pimentão verde beeeeem picadinho, damasco picado, pimenta dedo de moça (sem semente) também picadinha e cheiro verde. O resto é sal e azeite honesto.

Peguei dois tomates, retirei uma tampinha e as sementes. Botei numa assadeira, coloquei um pouco de azeite, temperei com sal moído com blend de pimenta e levei ao forno só para dar uma ligeira (bem ligeira mesmo) amolecida no tomate. Recheei com a quinoa e servi com salada de rúcula e filé de frango ao molho de iogurte e manjericão (manjericão pilado, sal, pimenta, azeite e iogurte natural, simples assim).

Coisinha ligeira e saborosa para uma criatura que só faz trabalhar, trabalhar e trabalhar. Alguém me salva desse mundo capitalista? ;)

Eu volto! Juro :)


(a quinoa, temperadinha assim, pode ser servida sozinha ou como acompanhamento de carnes, peixes…)


(dentro do tomate pode ir o que tua imaginação mandar, e o que couber lá dentro, claro…dã)

Salada de 7 cereais, lentilha, frango e cebola frita

Um prato delicioso, prático, e que pode ser feito com reaproveitamento – não é tudo que a gente quer?

Aqui usei um restinho de lentilha cozida, que restou de uma salada; um pouco de 7 cereais cozido apenas em água e sal; um filé de frango grelhado e cortado em tiras e um pouco de cebola frita, que eu particularmente adoro (apesar de não ser a coisa mais leve do mundo).

Basta juntar tudo em um travessa grande e temperar. Usei também uma cenoura ralada e um pedaço de pimentão verde bem picadinho, além de sabor, ambos agregam cor ao prato e… bem, cor é importante!

Misturei tudo muito bem e temperei usando sal com lavanda (óbvio que você pode usar o comum), azeite e pimenta do reino moída. Finalizei com coentro picado e pronto!

Prato único, com grãos, vegetais e proteína, como deve ser uma boa refeição. Bom pra comer morninho ou mesmo frio, para refrescar os dias mais quentes, e ótimo para levar para o almoço no trabalho (uma marmita também pode ter seu charme, como não?).

Frango assado com ervas

Frango de padaria, sabe? Aquele que fica rodando na maquineta e que, se bem feito, deixa um cheiro delicioso pela rua?

Então, aqui essa é a proposta – frango da padoca, só que caseiro e muito bem temperadinho. O pulo do gato, meus queridos, está em fazer uma pasta de manteiga e ervas para besuntar o frango, coisa besta, mas que faz uma mega diferença.

Como faz?

O primeiro passo é lavar e limpar bem o frango.  Feito isso, vem a parte mais “sensível” dessa receita – levantar, com jeitinho e sem rasgar, toda a pele do frango. “Mas Fabiana, como é que faz isso?“. Simples, vá levantando a pele com os dedos, devagar, soltando-a do frango… se a sua unha for muito grande ou se você não estiver muito segura, use as costas de uma colher de pau para ajudar, devagarzinho.

Em uma tigelinha misture manteiga e ervas picadas de sua preferência – eu usei manjericão, alecrim, hortelã, salsinha e orégano frescos – misturando bem até formar uma pastinha. Tempere com sal e pimenta e um fiozinho de azeite.

Agora, use essa pasta para cobrir o frango, por debaixo da pele que você  levantou, cuidando de deixar todas as partes do frango bem cobertas com essa mistura – é ela que vai garantir que seu franguinho fique deliciosamente aromático e saboroso.

Dentro do frango você coloca o que quiser, mas posso te garantir que cebola partida em 4 + alecrim + rodelas de limão formam um recheio delícia – foi o que usei no meu.

Antes de levar ao forno médio, pré-aquecido, prenda a pele com palitos e as coxas e asas com um barbante. Eu gosto também de colocar um papel alumínio protegendo a pontinhas das asas, que geralmente douram muito mais rapidamente e acabam ficando queimadas.

Asse seu frango em fogo de médio para baixo, aumentando só no final, para dourar bem. Para garantir um frango suculento, é importante que durante o processo você vá regando a ave com o caldo que se forma na assadeira. Nada de largar o frango lá, assando sozinho e abandonado! Regar de vez em quando vai deixá-lo muito mais suculento e você não quer aquele frango secão e sem graça, quer? ;)

Receita de sucesso garantido, comadre. Se joga!

Frango com legumes e feijão

Uma panela só, um único prato… Minha vida ultimamente só tem espaço para esse tipo de cozinha, infelizmente. Aqui, um prato que cumpre muito bem esse papel, e ainda por cima é saboroso e nutritivo. A receita é da Nigella, mas eu fiz algumas alterações…

Aqueça 2 colheres de sopa de óleo  numa wok. Junte 300gr de peito de frango ou peru em tirinhas e mexa até que estejam douradas. Junte 300gr de legumes e verduras variados e picados (espinafre, abobrinha, brócolis, ervilha, pimentão, broto-de-feijão e o que mais estiver à mão – no meu caso foi: cebola roxa, pimentão verde e vermelho, cenoura, repolho, brócolis*, couve flor* e broto de feijão) e frite, mexendo até que eles comecem a ficar macios. Junte 60ml de shoyu e 60ml de vinho chinês (eu usei sake mirin). Assim que a wok estiver bem quente de novo junte 400gr de feijão branco em lata (eu usei o normal, que pré-cozinhei). Misture tudo muito bem e divida em dois pratos de servir. Salpique com coentro ou salsinha (eu fui de cebolinha) e sirva imediatamente.

Na receita dela o rendimento é de 2 porções. Na minha, affff… a caprichada que eu dei nos legumes rendeu almoço para 5 pessoas.

* <i>pré-cozinhei rapidamente no vapor o brócolis e a couve flor</i>

Eu curti o lance de agregar o feijão ao frango, tudo-junto-agora. Acho que grão de bico também cairia bem ou até mesmo (e porque não?) soja. Vai rolar repeteco lá em casa :)

Charuto de repolho com frango e lentilha

Eu adoro charuto, principalmente os que são feitos com folha de uva (já tem uma receita deles aqui ó), mas quando vi essa versão da minha xará do Figos & Funghis fiquei logo em cólicas pra testar. Ela usou repolho roxo e arrasou – repolho roxo é coisa linda – mas como eu tinha um repolho comum gritando na geladeira, fui com ele mesmo e ó… ficou delícia.

Minha versão da receita ficou assim…

1. A primeira coisa que fiz foi aferventar as folhas de repolho em uma panela grande com bastante água e caldo de legumes caseiro. Não é preciso cozinhar muito as folhas não, mas elas precisam estar macias o suficiente para que você possa enrolá-las sem quebrar. Uma dica é retirar com a faca a parte mais grossa (o talo) no repolho, para que você consiga enrolar melhor. (guarde os talinhos para uma sopa ou para colocar no próximo arroz branco!)

2. Para o recheio fui de cabeça na base do reaproveitamento. Usei arroz pronto, dois filés de frango beeeem temperadinhos e que passei pelo processador para desfiar bem e lentilha cozida al dente.

3. Juntei os 3 ingredientes (arroz + frango + lentilha) e temperei essa mistura com um pouco de pimenta síria, uma pitada de canela, um pouco de xerém e salsinha picada.

4. Para fazer os charutos é simples – é só colocar um pouco de recheio por cima da folha de repolho e ir enrolando com cuidado, apertando bem para ficar firme.

5. Em uma travessa juntei todos os charutos, reguei com bastante azeite, cobri com uma folha de repolho e levei ao forno. Como todos os ingredientes já estão cozidos, não é preciso ficar muito tempo e você pode optar até por levá-los ao microondas por 5 minutos, como fez a Fabi.

Sirva os charutinhos quentinhos regados com azeite.

Usando a mesma ideia você pode substituir alguns ingredientes e fazer novas versões do prato: pode usar folhas de acelga, escarola ou couve no lugar do repolho; pode trocar o arroz branco por arroz integral, 7 cereais ou por quinoa e pode variar ainda na utilização da castanha – eu usei xerém porque era o que eu tinha mais à mão, mas pode ser amêndoas, nozes, castanha do Pará… basta picar e acrescentar ao recheio.

Outra boa sugestão é usar hortelã picadinho no recheio e, para servir, você pode investir em um creme azedo ou finalizar o prato com cebolas crocantes, fica uma gostosura também.

Não é uma maravilha? Em um prato único você tem verdura, proteína, grãos, ervas… tudo que a gente precisa em uma refeição balanceada. Para quem está tentando comer melhor (eu!) essa receita é uma mão na roda.

Coxas agridoces

Minha parte do frango preferida é uma que ninguém se importa muito: a asa. E se forem assadas com esse tempero então, adoooro – abro mão de qualquer carne “nobre” por uma assadeira de asinhas agridoces, pra comer com a mão, sem pressa.  Só que lá em casa vale a ditadura do peito de frango – única parte que o marido come do dito cujo e, consequentemente, minha escolha mais certeira no hora das compras.

Só que ninguém merece comer só peito, que por sinal (assim como o filé mignon) é o corte que menos gosto do frango, e afinal eu também sou filha de Deus, certo? De modos que iniciei uma pequena revolução lá em casa para botar abaixo essa “ditadura peitoral” e me joguei com fé nessas coxas, que ficam excepcionalmente gostosas com esse temperinho…

Para variar e temperar o frango de um jeito diferente, acrescente ao tempero páprica picante e mel. O restante pode ser o que você usa sempre – alho, limão, sal, pimenta, ervinhas… basta incluir a páprica e algumas colheres de mel para fazer toda a diferença no franguinho banal do dia-a-dia. As quantidades variam pelo tamanho do frango e pelo teu paladar, mas leve em consideração que nenhum dos dois sabores deve se sobressair – o resultado final deve ser uma carne levemente picante e com um toque adocicado. Para 5 coxas usei 1 colher (chá) de páprica (mais poderia ter sido mais até) e 3 colheres sopa de mel.

A sugestão vale também para a churrasqueira. No próximo churrasco, experimente temperar assim drumets de frango (as coxinhas da asa) – além do seu tempero básico, capriche na páprica, junte também pimenta calabresa, seja generosa no mel e leve tudo à grelha (na parte de cima da churrasqueira, para assar devagar) até ficar lindamente dourado. Vai ser um arraso, garanto :)

Filé de frango crocante

A Unilever Food Solution me convidou para criar uma receita especial para a Fan Page deles no Facebook. Como eu acredito sinceramente que as coisas mais simples quase sempre são as mais especiais, aceitei o convite com uma receitinha muito fácil e bem caseira (que minha mãe aliás faz como ninguém) – uma variação gostosa do filé de frango do dia-a-dia.  Porque né… eu já falei que ninguém merece comer frango sempre com a mesma cara, não é mesmo?

Então, se você quiser conferir a minha receita é só correr lá na Fan Page da Unilever Food Solution. Pode usar esse atalho aqui ó :)

Espetinho de frango à moda Thai

(foto: Adriana Oliveira)

O tema do Rangocamp desse ano era Churrasco, só que o desafio era justamente propôr novas ideias e receitas que pudessem ser preparadas na churrasqueira ou como acompanhamento nesse tipo de refeição. E um dos meus pratos foi esse espetinho de frango com pegada thai, super fácil de fazer mas que dá outra cara para o espetinho clássico, aquele feito no palito.

O maior pulo do gato começa justamente nesse ponto – aqui, não tem palito de churrasco! o espetinho é montado em ramos de alecrim, o que já confere uma cara nova e, melhor de tudo, traz um aroma incrível para o seu churrasco.

Para o frango, usei peito orgânico picado em cubos grandes e temperados em uma marinada de um dia apra o outro com: raspas (só a parte colorida, pelamor!) e suco de limão, sal grosso moído na hora, gengibre ralado, curry em pó, pimenta dedo de moça picada com semente e um pouco de óleo de gergelim (mas pode ser azeite também), tudo na base do olhômetro e do gôsto – eu gosto muuuuito de curry e de gengibre e por isso capricho nos dois ingredientes, mas se você não é habituada a temperos super fortes, pode ir devargzinho, um pouquinho de curry, um tantinho só de gengibre pra perfumar, pimenta na tua medida… Mistura todos os ingredientes da marinada, coloca em um saco plástico, junta os cubos de frango, fecha bem e deixa na geladeira (virando de vez em quando o saco) até o dia seguinte.

Para a montagem dos espetinhos usei: cubo de frango, pimentão vermelho, pimentão amarelo, cebola e cubos de abacaxi. Tudo, como já disse, montado no alecrim – não tem mistério não, basta escolher um alecrim bem forte, com ramos compridos.

O resto é simples – levar para a churrasqueira, na parte de cima, para assar lentamente e sem ressecar. Sirva depois que o marido já tiver fatiado a picanha de sempre, só pra você arrasar mooooito, manja? Rá! Porque ó… aposto que o marido e os convidados vão amar, vai por mim :)


(para assar os espetinhos, use uma grelha como essa, para que você consiga virá-los facilmente – foto: CineBistrot)