A minha versão para o Stroganoff(*)

Semana passada minha comadre Katita apresentou uma série bárbara sobre comidinhas populares revisitadas, ou melhor, comidinhas que ganharam versões diferentes e interessantes (porque eu odeio essa coisa de revisitada, parece papo de estilista mala manja? rs). Enfim, dessa série batuta veio uma nova roupagem para o bom e velho strogonoff* que, segundo fontes controversas, pode ter nascido stroganoff ou strogonov.
O nome de nascimento nessa caso pouco importa pois, pelas mãos inicialmente da Fer e logo depois da minha comadre, o prato abrasileirado ganhou uma substituição que muito me interessou – saiu o creme de leite e entrou o iogurte ou sour cream. Opa! Era a chance que eu precisava para introduzir (ops) o strogonoff em casa, haja visto que o prato recebe resistência por parte do marido que não curte muito creme de leite.

Bom, resumindo o fubá (adorei isso Dadi), hoje eu resolvi criar a minha própria versão para o prato, que é uma mistura das receitas da Fer e da Katita, sendo portanto a partir desse momento o Strogonoff da Faby :)

Para começar, temperei a carne (filet mignon) com alho, sal e pimenta e em seguida levei-a à panela para fritar bem. Nessa etapa, flambei a carne com whisky. Feito isso, acrescentei cebola ralada e deixei que dourasse junto com a carne mais alguns minutos, botei cogumelos paris frescos cortados em lâminas, uma boa quantidade de páprica doce, um pouco de caldo de carne e deixei cozinhar um pouquinho mais até reduzir o caldo. Desliguei o fogo e coloquei um copo de iogurte desnatado Nestlé.
Para finalizar, salpiquei com folhas de endro dill fresquinho da minha horta (desculpa aê).

Apesar de calóricos, arroz branco e batata palha são obrigatórios nesse prato né comadre? E quem sou eu para infringir uma regra tão boa dessa?! :)

***
Eu diria duas coisas sobre esse strogonoff:
1. A textura do iogurte, tão mau vista por mim, dessa vez me surpreendeu e não “talhou” nem virou aquela aguaceira. Depois de pesquisar informações com a minha comadre eu chego à conclusão de que pode ter sido o iogurte, já que na embalagem do mesmo está escrito “mais cremoso”. Seria isso? Bom, se é verdade ou não eu não sei, mas é fato que dessa vez a textura ficou muito, muito diferente.

2. Esse prato acabou com meu preconceito com o iogurte :)

No Comments Yet.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*